Esqueceu a senha?

O que dizem os pais da igreja sobre o livre-arbítrio?

por Itard Víctor Camboim de Lima - sáb dez 28, 11:56 am

Liberdade

Com exceção dos escritos dos últimos anos de Agostinho, que após sua experiência na controvérsia donatista concluiu que as pessoas podiam ser forçadas a crer, quase todos os grandes pensadores até a Reforma afirmaram que o ser humano tem o direito de escolher o contrário, mesmo no estado caído. Ninguém cria que um ato coagido é um ato livre.

O fato é que os pais da Igreja, em sua maioria, corroboram com a Bíblia, que o homem é um ser livre e responsável pelos seus atos e pecados (Dt 11.26; 30.19-20).

Confira a opinião desses pensadores…

JUSTINO MÁRTIR (100-165 D,C.)

Deus, no desejo de que homens e anjos seguissem sua vontade, resolveu criá-los livres para praticar a retidão. Se a Palavra de Deus prediz que alguns anjos e homens certamente serão punidos, isso é porque ela sabia de antemão que eles seriam imutavelmente ímpios, mas não porque Deus os criou assim. De forma que quem quiser, arrependendo-se, pode obter misericór­dia (Dialogue, CXLI).

ÍRENEU (130-200 D .C.)

A expressão: “Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos […] mas vocês não quiseram” ilustra bem a antiga lei da liberdade do homem, porque Deus o fez livre desde o início, com vontade e alma para consentir nos desejos de Deus sem ser coagido por ele. Deus não faz violência, e o bom conselho o assiste sempre, por isso dá o bom conselho a todos, mas também dá ao homem o poder de escolha, como o tinha dado aos anjos, que são seres racionais, para que os que obedecem recebam justamente o bem, dado por Deus e guardado para eles. […] Se não dependesse de nós o fazer e o não fazer, por qual motivo o Apóstolo, e bem antes dele o Senhor, nos aconselhariam a fazer coisas e anos abster de outras? Sendo, porém, o homem livre na sua vontade, desde o princípio, e livre é Deus, à semelhança do qual foi feito, foi-lhe dado, desde sempre, o conselho de se ater ao bem, o que se realiza pela obediência a Deus (Contra as heresias, IV, 37.1,4)

ATENÁGORAS DE ATENAS (SÉC, II)

Justamente como homens que possuem liberdade de escolha assim como virtude e defeito (porque você não honraria tanto o bom quanto puniria o mau, a menos que o defeito e a virtude estivessem em seu próprio poder, e alguns são diligentes nos assuntos confiados a eles, e outros são infiéis), assim são os anjos (Embassy for Christians, XXIV).

TEÓFILO DE ÂNTIGQUÍA (SÉC. II)

Deus fez o homem livre, e esse poder sobre si próprio[…] Deus lhe concede como um dom por filantropia e compaixão, quando o homem lhe obedece. Pois como o homem, desobedecendo, atraiu morte sobre si próprio, assim, obedecendo ã vontade de Deus, aquele que deseja é capaz de obter para si mesmo a vida eterna (Para Autolycus,XXVII).

TACIANO DA SÍRIA (FIM DO SÉC II)Viva para Deus e, apreendendo-o, coloque de lado sua velha natu­reza. Não fomos criados para morrer, mas morremos por nossa própria falha. Nosso livre-arbítrio nos destruiu, nós que fomos livres nos tornamos escravos; fomos vendidos pelo pecado. Nada de mal foi criado por Deus; nós próprios manifestamos impiedade; mas nós, que a temos manifestado, somos capazes de rejeitá-la novamente {Address,XI).

RARDESANO DA SÍRIA (C, 154-222)

Como é que Deus não nos fez de modo que não pecássemos e não incorrêssemos na condenação? Se o ser humano fosse feito as­sim, não teria pertencido a si mesmo, mas seria instrumento daquele que o moveu. […] E como, nesse caso, diferiria de uma harpa, sobre a qual outro toca; ou de um navio, que outra pessoa dirige: onde o louvor e a culpa residem na mão do músico ou do piloto, […] eles sendo somente instrumentos feitos para uso daquele em quem está a habilidade? Mas Deus, em sua benignidade, escolheu fazer assim o ser humano; pela liberdade ele o exaltou acima de muitas de suas criaturas ( Fragmentos).

CLEMENTE DE ALEXANDRIA (C. 150-215)

Mas nós, que temos ouvido pelas Escrituras que a escolha auto-determinadora e a recusa foram dadas pelo Senhor ao ser humano, descansamos no critério infalível da fé, manifestando um espírito desejoso, visto que escolhemos a vida e cremos em Deus através de sua voz (Stromata, 2.4). Mas nada existe sem a vontade do Senhor do universo. Resta dizer que essas coisas acontecem sem o impedimento do Senhor. Não deve­mos, portanto, pensar que ele ativamente produz aflições (longe esteja de nós pensar uma coisa dessas!); mas devemos ser persuadidos de que ele não impede os que as causam, mas anula para o bem os crimes dos seus inimi­gos(Stromata, 4.12).

TERTULIANO (155-225)

Eu acho, então, que o ser humano foi feito livre por Deus, senhor de sua própria vontade e poder, indicando a presença da imagem de Deus e a semelhança com ele por nada melhor do que por esta constituição de sua natureza. […]Você verá que, quando ele coloca diante do ser humano o bem e o mal, a vida e a morte, que o curso total da disciplina está disposto em preceitos pelos quais Deus chama o ser humano do pecado, ameaça e exorta-o; e isso em nenhuma outra base pela qual o ser humano é livre, com vontade ou para a obediência ou para a resistência.[…]Portanto, tanto a bondade quanto o propósito de Deus são descoberto o dom da liberdade em sua vontade dado ao ser humano… (Contra Marcião,2.5).

NOVACIANO DE ROMA (C. 200-258)

Ele também colocou o ser humano no topo do mundo, e também o fez à imagem de Deus, e lhe comunicou mente, razão e perspicácia, para que pudesse imitar a Deus; e, embora os primeiros elementos do seu corpo fossem terrenos, a substância foi inspirada por um sopro divino e celestial. E, quando ele lhe deu todas as coisas para o seu serviço, quis que apenas ele fosse livre. E, para que novamente uma ilimitada liberdade não caísse em perigo, estabeleceu uma ordem, na qual ao ser humano foi ensinado que não havia qualquer mal no fruto da árvore; mas ele foi advertido previamente de que o mal surgiria se porventura ele exercesse o seu livre-arbítrio no desprezo à lei que lhe foi dada (Sobre a Trindade, cap. 1).

ORÍGENES (C. 185-254)

Ora, deve ser conhecido que os santos apóstolos, na pregação da fé de Cristo, pronunciaram-se com a maior clareza sobre certos pontos que eles criam ser necessários para todo mundo. […] Isso também é claramente definido no ensino da Igreja de que cada alma racional é dotada de livre-arbítrio e volição {De Principiis,pref.).Há, de fato, inúmeras passagens nas Escrituras que estabelecem com extrema clareza a existência da liberdade da vontade (De Principiis,3.1).

METÓDIO (C. 260-311)

Ora, aqueles que decidem que o ser humano não possui livre-arbítrio, e afirmam que ele é governado pelas necessidades inevitáveis do destino […] são culpados de impiedade para com o próprio Deus, fazendo-o ser a causa e o autor dos males humanos (O banquete das dez virgens, xvi).Eu digo que o ser humano foi feito com livre-arbítrio, não como se já houvesse algum mal existente, que ele tinha o poder de escolher se qui­sesse […], mas que o poder de obedecer e desobedecer a Deus é a única causa (Sobre o livre-arbítrio).

ÁRQUELAU (C. 277)

Todas as criaturas que Deus fez, ele fez muito boas, e deu a cada indi­víduo o senso de livre-arbítrio, de acordo com o padrão que ele também instituiu na lei de julgamento. Pecar é característica nossa, e nosso pecado não é dom de Deus, já que nossa vontade é constituída de modo a escolher tanto pecar quanto não pecar (Discussão com Maní).

ARNÔBIO DE SICCÀ (C. 253-327)

Aquele que convida a todos não liberta igualmente a todos? Ou não empurra ele de volta ou repele qualquer um para longe da amabilidade do Supremo que dá a todos igualmente o poder de vir a ele? — A todos, ele diz, a fonte da vida está aberta, e ninguém é impedido ou retido de beber […] ( Contra os pagãos).Mais ainda, meu oponente diz que, se Deus é poderoso, misericordioso, desejando salvar-nos, que mude as nossas disposições e nos force a confiarem suas promessas. Isso, então, é violência, não é amabilidade nem ge­nerosidade do Deus supremo, mas uma luta vã e pueril na busca da obtenção do domínio. Pois o que seria tão injusto como forçar homens que são relutantes e indignos, reverter suas inclinações; imprimir forçadamente em suas mentes o que eles não estão desejando receber, e têm horror de…(ibidem).

CIRÍLO DE JERUSALÉM (C. 312-386)

Saiba também que você tem uma alma auto governada, a mais nobre obra de Deus, feita à imagem do Criador, imortal por causa de Deus que lhe dá imortalidade, um ser vivente racional, imperecível, por causa dele que concedeu esses dons: tendo livre poder para fazer o que deseja (Lecture, IV).Não há um tipo de alma pecando por natureza e outro de alma prati­cando justiça por natureza; ambas agem por escolha, a substância da alma sendo de uma espécie somente e igualmente em tudo (ibidem).A alma é autogovernada: e embora o Demônio possa sugerir, ele não tem o poder de obrigar a vontade. Ele lhe pinta o pensamento da fornicação: mas você pode rejeitá-lo, se quiser. Pois se você fosse fornicador por necessidade, por que razão Deus preparou o inferno? Se você fosse praticante da justiça por natureza, e não pela vontade, por que preparou Deus coroas de glória inefável? A ovelha é afável, mas ela nunca foi coroada por sua afabilidade; visto que sua qualidade de ser afável lhe pertence por natureza, não por escolha (ibidem).

GREGÓRIO DE NÍSSA (C. 335-395)

Sendo à imagem e semelhança […] do Poder que governa todas as coisas, o ser humano manteve também na questão do livre-arbítrio esta semelhança a ele cuja vontade domina tudo (Sobre a virgindade, cap. XII).

JERÔNIMO (C. 347-4.20)E em vão que você tem uma idéia falsa a meu respeito e tenta convencer o ignorante de que eu condeno o livre-arbítrio. Deixe aquele que o condena ser ele próprio condenado. Fomos criados, capacitados com o livre-arbítrio; ainda não é isto que nos distingue dos bárbaros. Pois o livre- arbítrio humano, como eu disse, depende da ajuda de Deus e neces­sita de sua ajuda momento a momento, algo que você e os seus não escolhem admitir. Sua posição é a de que, uma vez que o ser humano tem livre-arbítrio, ele não mais necessita da ajuda de Deus. E verdade que a liberdade da vontade traz consigo a liberdade da decisão. Ainda assim o ser humano não age imediatamente sobre o seu livre-arbítrio, mas requer a ajuda de Deus que, em si mesmo, não precisa de ajuda {Cartas).Quando nós estamos preocupados com a graça e a misericórdia, o livre-arbítrio é em parte anulado; em parte, eu digo, porque tanto depende dele, que queremos e desejamos, e damos consentimento ao curso que escolhemos. M as depende de Deus se temos o poder em sua força e com sua ajuda para fazer o que desejamos, e para nosso trabalho e esforço darem resultado (Contra os pelagianos, Livro III).

Cabe a nós o começar, mas a Deus terminar (ibidem, 3.1, v. tb. ap. 11).

JOÃO CRISÓSTOMO (347-407)

Deus, tendo colocado o bem e o mal em nosso poder, nos deu plena liberdade de escolha; ele não retém o indeciso, mas abraça o que é disposto (Homilias sobre Gênesis, 19.1).Tudo está sob o poder de Deus, mas de um modo que nosso livre-arbítrio não é perdido.[…] Ele depende, entretanto, de nós e dele. Deve­mos primeiro escolher o bem, e, então, ele acrescenta o que lhe pertence. Ele não precede nosso querer, aquilo que nosso livre-arbítrio não suporta. Mas quando nós escolhemos, então ele nos proporciona muita ajuda.[…] Cabe a nós escolher de antemão e querer, mas cabe a Deus aperfeiçoar e concretizar (Homilia sobre Hebreus ).3

AGOSTINHO JOVEM (354-430)

O livre-arbítrio, naturalmente concedido pelo Criador à nossa alma racional, é um poder tão neutro que pode tanto se inclinar para a fé como se voltar para a incredulidade (O Espírito e letra).De fato, o pecado é tanto um mal voluntário que não pecado de forma alguma, a menos que seja voluntário (Sobre a religião verdadeira).Logo, ou a vontade é a causa primeira do pecado, e nenhum pecado será causa primeira do pecado (O livre-arbítrio,3.49).O pecado não está de fato em nenhum lugar senão na vontade, visto que esta consideração também teria me ajudado, que a justiça declara culpados os que pecam pela vontade má apenas, embora possam ter sido inca­pazes de fazer o que desejavam {Duas almas, Contra os maniqueus, 10.12).Nós, convencidos da existência de um Deus supremo e verdadei­ro, confessamos também que possui potestade, vontade e presciência soberanas. E não tememos, por isso, fazer sem vontade o que voluntaria­mente fazemos, porque de antemão sabe Ele, cuja presciência não pode enganar-se, o que temos de fazer (A cidade de Deus,5.9).Quem quer que seja que tenha feito qualquer coisa má por meio de alguém inconsciente ou incapaz de resistir, este último não pode por meio algum ser condenado justamente {Duas almas, Contra os maniqueus,10.12).Qualquer um que também faz uma coisa com relutância é compelido, e todo aquele que é compelido, se faz uma coisa, faz somente de má vontade. Segue que aquele que deseja é livre de compulsão, mesmo se acha que está sendo obrigado {Duas almas, Contra os maniqueus,10.14).De maneira alguma nos vemos constrangidos, admitida a presciência de Deus, a suprimir o arbítrio da vontade ou, admitido o arbítrio da vontade, a negar em Deus a presciência do futuro, o que é verdadeira impiedade. Abraçamos, isso sim, ambas as verdades, confessamo-las de coração fiel e sincero. […] Longe de nós negar a presciência, por querermos ser livres, visto como com seu auxílio somos e seremos livres (A cidade de Deus,5.10).

ANSELMO (1033-1109)

Ninguém abandona a retidão exceto por desejar abandoná-la. Se “contra a própria vontade” significa “com relutância”, então ninguém abandona a retidão contra a sua vontade. […] M as uma pessoa não pode querer contra a sua vontade porque não pode querer estando indis­posta para querer. Cada um que quer, o faz desejosamente (Verdade, liberdade e mal).Embora eles [Adão e Eva] tenham cedido ao pecado, não podiam abolir em si mesmos a liberdade natural de escolha. Contudo, podiam afetar o seu estado a ponto de não serem capazes de usar aquela liberdade exceto por uma graça diferente daquela que eles tinham antes de sua queda (ibid).E não devemos dizer que eles [Adão e Eva] tinham liberdade com o propósito de receber de um doador a retidão que eles não tinham, porque nós temos de crer que eles foram criados com vontade reta— embora não devemos negar que eles tinham liberdade para receber essa mesma retidão novamente, se eles a tivessem abandonado de uma vez e ela retornasse para eles por alguém que originalmente lhes deu. Frequentemente vemos uma evidência disso em pessoas que são trazidas de volta à justiça da injustiça, por graça celestial (ibid).Você não vê que se segue dessas considerações que nenhuma tentação pode vencer uma vontade reta,? Pois, se a tentação pode vencer a vontade, ela tem o poder de vencê-la, e vence a vontade pelo próprio poder. Mas a tentação não pode fazer isso porque a vontade pode ser vencida somente pelo próprio poder (ibidem).Agora, eu me pergunto se o próprio Deus poderia remover a retidão da vontade de uma pessoa. Será que poderia? Eu lhe mostrarei que ele não pode. Pois, embora ele possa reduzir tudo o que ele fez do nada de volta para o nada, ele não tem o poder de separar a retidão de uma vontade que a possui (ibidem).

TOMAS DE AQUINO (1224-1274)

A causa de um pecado é que a vontade não segue a regra da razão nem a lei divina. O mal não surge antes que a vontade se aplique a fazer alguma coisa ( Theological Texts,p. 132).A necessidade vem do agente quando coage alguém do que não pode fazer o contrário. Referimo-nos a isso como “necessidade por coerção”. A necessidade por coerção é contrária à vontade, pois consideramos violento o que quer que seja contrário à inclinação de uma coisa. Mas o próprio movimento da vontade é uma inclinação para algo, de forma que esse algo seja voluntário quando segue a inclinação da natureza. Exatamente como esse algo não pode ser possivelmente violento e natural simultaneamente, assim esse algo não pode ser abso­lutamente coagido ou forçado e simultaneamente voluntário (Na Aquinas Reader, p. 291-2).Assim, por necessidade o ser humano deseja a alegria, e lhe é impos­sível querer não ser feliz ou ser infeliz. Mas, visto que a escolha não trata com o fim, mas com os meios para o fim, como foi discutido previamen­te ( Suma teológica, I-II, p. 13, 3), ela não trata com o bem perfeito ou com a alegria mas com outros bens particulares. Consequentemente, o ser humano não escolhe necessariamente, mas livremente (ibidem, p. 293).Alguns têm proposto que a vontade do ser humano é movida necessariamente a fazer alguma escolha, embora não afirmem que a vontade seja coagida. Pois nem toda necessidade de um princípio ex­terno (movimento de violência) é de coação, mas somente aquela que se origina de fora, onde os movimentos naturais certos são descober­tos como necessários, mas não como coercitivos. Pois o coercitivo é oposto ao natural, assim como é também oposto ao movimento voluntário, esse último vem de um princípio interno, enquanto o movi­mento violento vem de um princípio externo. Essa opinião [dos averroístas latinos] é, portanto, herética porque destrói o mérito e o demérito das ações humanas. Pois, por que deveria haver qualquer mérito ou demérito por ações que uma pessoa não pode evitar praticar? Além do mais, isso significa ser incluído entre as opiniões excluídas dos filósofos: pois se não há qualquer liberdade em nós exceto que somo movidos da necessidade de querer, então a escolha deliberada, o encora­jamento, o preceito, a punição, o louvor e culpa são removidos, e esses são os verdadeiros problemas que a filosofia moral leva em conta. Não somente isso é contrário à fé como também corrói todos os princípios da filosofia moral (ibidem, p. 294-5).

Ora, o pecado não pode destruir totalmente a racionalidade do ser humano, pois então ele não mais seria capaz de pecar (Philosophical Texts,p. 179).Ser livre não é ser obrigado a um objetivo determinado(ibid., p. 259).O ser humano possui livre-arbítrio, de outra forma, os conselhos, exortações, preceitos, proibições, recompensas e punições seriam todos sem propósito… (ibidem, p. 261-2). O ser humano, entretanto, pode agir com juízo e adaptação na razão, um juízo livre que deixa intacto o poder de sei- capaz de decidir deforma contrária(ibidem).De modo semelhante, então, o pecado é causado pelo livre-arbítrio que se afasta de Deus. Em consequência, não se segue que Deus seja a causa do pecado, embora ele seja a causa do livre-arbítrio (Sobre o mal, p. 106).Deve ser observado que o movimento do primeiro motor não é uniformemente recebido em todas as coisas movíveis, mas em cada uma de acordo com o próprio modo. […] Pois, quando uma coisa está devidamente disposta a receber o movimento do primeiro motor, segue uma ação perfeita de acordo com a intenção do primeiro motor, mas, se uma coisa não está corretamente disposta e adequada para receber o movimento do primeiro motor, segue uma ação imperfeita. Então, toda ação é atribuída ao primeiro motor, mas todo defeito não é atribuído ao primeiro motor, visto que um defeito na ação resulta do fato de que o agente parte da ordem do primeiro motor. […] Por essa razão, afirmamos que a ação relativa ao pecado vem de Deus, mas o pecado não vem de Deus(ibidem, p. 110).Contudo, a deformação do pecado de modo algum está sob a vontade divina, mas resulta do fato de que a vontade livre se afasta ou desvia da ordem da vontade divina(ibidem, p. 111).Aquino acrescenta: Semelhantemente, quando alguma coisa move a si mesma, não se pode excluir que ela seja movida por outra coisa de quem ela tem esta própria capacidade de mover a si mesma. Portanto, não é contrário à liberdade dizer que Deus é a causa do ato da vontade livre (ibidem)… pecado feriu o ser humano em seus poderes naturais no que diz respeito à sua capacidade para o bem gratuito, mas não de tal forma que retira algo da essência de sua natureza; e, assim, não se segue que o intelecto dos demônios errou exceto a respeito de assuntos gratuitos (ibidem, p. 496).

Nota do CACP: Nem todos os teólogos do CACP corroboram com a visão arminiana. Temos as duas visões descritas aqui no site – tanto Calvinista como Arminiana. O presente artigo é de confissão de fé Arminiano/Wesleyana e, por isso, não é a concepção oficial do CACP – que não emite oficialmente um parecer sobre tal questão.

Extraído por Itard Víctor Camboim de Lima do livro ELEITOS, MAS LIVRES.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

21 Comentários

Comentários 1 - 21 de 21Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”
    Deuteronômio 30:19

    A frase exata “livre-arbitrio” não tem na Bíblia, mas como se vê em Dt30:19 é muito clara, Deus fazendo o apelo “escolhe pois a vida” .

    1. Estou totalmente de acordo com você irmão. Fique na paz.

  2. Gosto muito do CACP e suas matérias postadas, as quais aprendo muito. Porém não posso concordar com esse artigo, pois constato que o mesmo é tendencioso e contém “meias-verdades”!

    Não podemos ocultar que nos documentos patrísticos há várias outras citações dos pais da Igreja que claramente citam às doutrinas da graça, tais como: Depravação Total, Eleição Incondicional, Expiação Limitada, Graça Irresistível, Perseverança dos Santos. Trata-se de provas documentadas que não podemos ter a irresponsabilidade de ocultá-las.

    Segue o link com as citações e suas respectivas fontes patrísticas:
    http://pbministries.org/books/gill/Cause_of_God_and_Truth/Part%204/index.htm

    1. Não dissemos que esta é a opinião de todos os pais da igreja, mas de alguns – aliás, da maioria na verdade – Calvino fala isso na Instituta N° 1. Outra coisa, o calvinismo não é a verdade, pode no máximo conter fatos bíblicos e verdadeiros, nada mais – a Bíblia é a verdade. Quanto a reforma, sempre houve divergência entre os reformadores. Agora, o texto é claro, é apenas uma opinião e nem reflete a opinião oficial do CACP. Mas veja que você veio chamar o texto de “meias verdades”. Olha, temos todos os documentos patrísticos e a maioria deles não corroboram com Calvino e o próprio Calvino admitiu isso nas Institutas, tanto que nunca existiu um TULIP na doutrina da Igreja de Jesus antes do século XVI. Não concordamos em arvorar o calvinismo como sectário, mas também não achamos certos as considerações maldosas do Calvinismo contra o Arminianismo. (Obs. Resposta preparada pelo Pr. J Flávio Martinez)

  3. Jorge Moreira,

    Já que você está chamando os outros de “quase” mentiroso, gostaria de fazer-lhe uma pergunta : SE DESCOBRISSE que você e entes queridos não são eleitos para a salvação, mas predestinados ao inferno, o que você faria ?

    – submeteria a soberania de Deus, e no tempo certo tomaria aos seu aposentos no inferno;
    – tornar-se-ia crer pela escola do Arminianismo;
    – não sei.

  4. reply do View Replies (1) para Jorge Moreira, obrigado pela resposta, pelo que entendi voce tem certeza da salvação, sendo um eleito. ok.
    é que eu nunca vi um calvinista “que não fosse eleito”, sempre os predestinados a perdição, “são os outros” de muito longe, ou desconhecidos ou os azarados em contrapartida “dos queridinhos” eleitos que são os salvos sempre os calvinistas. é isso aí.
    fim da debate bom ano novo.

    1. Caro JCP:

      Infelizmente constatei que deletaram o meu último comentário direcionado a você. Lamentável tal atitude deste site! Vou ter que conversar com o Sr. Natanael sobre isso!

      Feliz ano novo para você também, Deus abençoe!

    2. reply Jorge Moreira,  “…Vou ter que conversar com o Sr. Natanael sobre isso!”

      manheeê óie eles ……..

  5. O que me parece, é os Arminianos não creem na depravação total do pecador; por isso acham que o pecador possui  liberdade de vontade e pode escolher a vida ou a morte (Dt 30:19). Não creem que o pecador é escravo do pecado e de Satanás.  E mais grave, que o pecador está espiritualmente morto e me trevas, e não sabe para onde vai.  Esse ‘homem natural’ não pode entender as coisas do Espírito de Deus.  Antes da Queda, o homem original era dotado de livre-arbítrio;  depois da Queda, não.  

    1. ” … Não creem que o pecador é escravo do pecado e de Satanás…”

      existe uma diferença entre “ser pecador” e “viver no pecado” – quanto ao pecador ser escrado de satanás, só se for você que está nesta condições. !
      Deus me livre quando mexe na TULIP dos calvinistas os caras ficam cegos e falam cada bobagem.
      Hey humberto, e se voce descobrisse que não é eleito ? mas predestinado ao Hell que faria?

    2. É uma pena Humberto que os fatalistas, poderia eu dizer, não acreditam nas palavras de Jesus Cristo que disse – EU, QUANDO FOR LEVANTADO DA TERRA, TODOS ATRAIREI A MIM… (Jo 12.32) – é essa graça comum que dá ao homem a opção de escolher… Caim já era um caído, mas Deus lhe deu a opção – Conf. Gn 4.7… Ou acreditamos na palavra de Deus ou em homens… A Bíblia não fala que temos (literalmente) livre arbítrio, mas o que sabemos é que a mesma opção que Adão teve, todos temos… 

  6. Ué pessoal do CACP, por que não aprovaram os meus comentários (ou deletaram)?

  7. reply para Humberto santos,

    ” … Não creem que o pecador é escravo do pecado e de Satanás…”

    existe uma diferença entre “ser pecador” e “viver no pecado” – quanto ao pecador ser escravo de satanás, só se for você que está nesta condições. !
    Deus me livre quando mexe na TULIP dos calvinistas os caras ficam cegos e falam cada bobagem.
    Hey humberto, e se voce descobrisse que não é eleito ? mas predestinado ao Hell que faria?
    aposto que voce iria rezar mil vezes joão 3.16 rsrs.

    feliz ano novo.

  8. a predestinação e um ensino diabólico cacp deveria considera uma ceita quem cre nela mas parece que não e coveniente 

    1. leia no fim do artigo a seguinte nota :

      Nota do CACP: Nem todos os teólogos do CACP corroboram com a visão arminiana. Temos as duas visões descritas aqui no site – tanto Calvinista como Arminiana. O presente artigo é de confissão de fé Arminiano/Wesleyana e, por isso, não é a concepção oficial do CACP – que não emite oficialmente um parecer sobre tal questão.

    2. Seita com “c” até pode com “s” é que não pode, Kkkkkk. 

  9. Itard, não tive o privilégio de proseguir com a nossa conversa a respeito do tema no grupo do facebook. Me responda uma pergunta: para vc Geisler é Calvinista, ou Arminiano?

  10. Vou deixar um texto do Antigo Testamento:
    Salmo 139:16 Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda.
    Um Texto do Novo Testamento:
    Romanos 9 1-24

    1. “Escolhe a vida para que vivas, tu e a tua semente” Deuteronômio 30:19

      VOCE NÃO É ROBOZINHO, VOCE TEM RESPONSABILIDADE DE ESCOLHA.

    2. VOCE CITOU SALMO … PORÉM PARECE QUE NUNCA LEU ESSE :

      ” … Pois escolhi os teus preceitos.” Salmos 119:173b

      muita gente se esconde atrás do “calvinismo” para fugir da responsabilidade pessoal e negar o livre-arbitrio, e baseando neste heresia do “determinismo”

Comentários 1 - 21 de 21Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement