- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

O que é apostasia?

sofrimento177

A enciclopédia “International Standard Bible” e a “Pequena Enciclopédia Bíblica” de Boyer corroboram no seguinte sobre a temática:

 Apostasia: (η αποστασια, he apostasía, “um desvio de”): ou seja, uma queda, uma retirada, uma deserção. Paulo foi falsamente acusado de ensinar os judeus uma apostasia contra Moisés (Atos 21.21), ele previu a grande apostasia do cristianismo, anunciada por Jesus (Mateus 24.10-12), o que precederia o “dia do Senhor” (2 Tessalonicenses 2.2) . Apostasia, não no nome, mas na verdade, possui uma reprovarão mordaz na epístola de Judas, por exemplo, a apostasia dos anjos (Judas 1.6). Anunciada, com advertências, como certeza de que abundam nos últimos dias (1 Timóteo 4.1-3; 2 Tessalonicenses 2.3; 2 Pedro 3.17). Causas da: perseguição (Mateus 24.9, 10); falsos professores (Mateus 24.11); tentação (Lucas 8.13); secularismo mundano (2Timóteo 4.4); defeituoso conhecimento de Cristo (1 João 2.19); colapso moral (Hebreus 6.4-6); abandono da adoração e vida espiritual (Hebreus 10.25-31); incredulidade (Hebreus 3.12). Exemplos Bíblicos: Saul (1 Samuel 15.11); Amazias (2Crônicas 25.14, 27); muitos discípulos (João 6.66); Himeneus e Alexandre (1 Timóteo 1.19, 1Timóteo 1.20); Demas (2 Timóteo 4.10). Para mais ver ilustrações nesse caso Deuteronômio 13.13; Zacarias 1.4-6; Gálatas 5.4; 2 Pedro 2.20, 21.

“Abandono de Yahweh” era a característica do retorno ao pecado do povo eleito, sobretudo no seu contacto com as idólatras nações. É constituído seu supremo perigo nacional. A tendência apareceu em seus primeiros dias na história, como visto em abundância de avisos e proibições das leis de Moisés (Êxodo 20.3, 4, 23; 6.14; Deuteronômio 11.16). As consequências da temerosa apostasia religiosa e moral aparecem nas maldições pronunciadas contra este pecado, no monte Ebal, pelos representantes de seis das tribos de Israel, eleitos por Moisés (Deuteronômio 27.13-26; 28.15-68). Então exausto estava o coração de Israel, mesmo nos anos imediatamente seguintes à emancipação nacional, no deserto, que Josué achou necessário voltar a promessa de toda a nação para um novo voto de fidelidade a Yahweh e à sua aliança original antes de serem autorizados a entrar na Terra Prometida (Josué 24.1-28). Infidelidade a este pacto eliminaria as perspectivas da nação do crescimento durante a época dos juízes (Juízes 2:11-15; 10:6, 10:10, 10:13; 1 Samuel 12:10). Foi a causa prolífica e cada vez mais má, cívica e moral, desde os dias de Salomão até o cativeiro Assírio e Babilônico. Muitos dos reis do reino apostada dividido, levando as pessoas, como no caso de Roboão, para as formas asquerosas de idolatria e imoralidade (1 Reis 14.22-24; 2 Crônicas 12.1).

Conspícuos exemplos de tais apostasias régias são de Jeroboão (1 Reis 12.28-32); Acabe (1 Reis 16.30-33); Acazias (1 Reis 22.51-53); Jeorão (2 Crônicas 21.6, 10, 21.12-15); Acaz (2 Crônicas 28.1-4); Manassés (2 Crônicas 33:1-9); Amom (2 Crônicas 33.22). A profecia surgiu como um imperativo Divino para protestar contras com esta tendência histórica de deserção da religião de Yahweh.

No grego clássico, apostasia significava revolta de um comandante militar. Na Igreja Católica Romana, denota abandono das ordens religiosas; renúncia da autoridade eclesiástica; defecção da fé… Um apóstata da defecção da fé pode ser intelectual, como no caso de Ernst Haeckel, que, devido à sua filosofia materialista, publica e formalmente renunciou o Cristianismo e a Igreja, ou ele pode ser moral e espiritual, como aconteceu com Judas, que, pela imunda ganância traiu seu Senhor.

[1] [2]Compartilhar [3]