- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

Paulo teria ensinado a guarda sabática?


Veja o que os adventistas rezam na Cartilha da Escola Sabatina: “Paulo sancionou para os cristãos a prática da guarda do sábado através do seu costume de frequentar e ministrar os seus ensinamentos sobre Cristo na sinagoga aos SÁBADOS (Atos 13:14 e 18:4)”.

REFUTAÇÃO APOLOGÉTICA:

“ …. O Apóstolo Paulo disse: FIZ-ME como JUDEU para os JUDEUS, para GANHAR os JUDEUS; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse eu debaixo da lei (embora debaixo da lei não esteja), para GANHAR os que estão debaixo da lei…”.

– E Paulo Logo começou a pregar nas sinagogas judaicas que Jesus é o Filho de Deus. (Atos 9. 20)….” (E NÃO A GUARDA DO SÁBADO) !!!

Sua presença na Sinagoga judaica atendia a um objetivo Estratégico e Evangelístico.

Pois, o fato do Apóstolo Paulo ensinar no templo, era uma oportunidade para alcançar muitas pessoas (era nesse dia que o maior contingente de judeus, gregos e prosélitos religiosos se reuniam na sinagoga).

Paulo ensinava, com base nas Escrituras judaicas, explicando e provando que o Cristo deveria sofrer e ressuscitar dentre os mortos.

E dizia: “Este Jesus que proclamo é o Cristo”. (At 17.2,3)

Paulo e Barnabé falando-lhes os exortavam a que permanecessem na “graça de Deus” e não ensinavam sobre a guardar o sábado!

No entanto, também é dito que os discípulos se reuniam diariamente no templo (At 2.46) e que Paulo ensinava diariamente na escola de Tirano. (At 19.9).

Quando o Apóstolo Paulo ia debater com os judeus, gregos e religiosos e falava com eles TODOS OS DIAS e não apenas aos sábados.

Isso NÃO significava que eles estavam guardando o sábado como dia de descanso (At 17.17,18).

Esse fato não sancionou a guarda do sábado para os cristãos, do mesmo modo que as reuniões de Paulo com os filósofos epicureus e estoicos pagãos também não trouxe nenhuma nova prática ao cristianismo. (At 17.22-34).

Após a morte de Jesus, seus apóstolos nunca ordenaram ou recomendaram a guarda do sábado.

O sábado judaico não foi incluído no Concilio de Jerusalém. A questão foi tão polêmica que Paulo e Barnabé viajaram até Jerusalém para encontrar-se com os apóstolos no Conselho de Jerusalém a fim de saber a posição destes a respeito do assunto.

A conclusão de Pedro foi: “Então, por que agora vocês estão querendo tentar a Deus, pondo sobre os discípulos um jugo que nem nós nem nossos antepassados conseguimos suportar?” (At 15.10).

Portanto, julgo que NÃO DEVEMOS pôr DIFICULDADES aos GENTIOS que estão se convertendo a Deus. (At 15.19).

CONCLUSÃO:

Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco. (Gálatas 4:9-11).

Aut. Sergio Baeta

[1] [2]Compartilhar [3]