Esqueceu a senha?

Aborto ou direitos humanos?

por Artigo compilado - qua abr 17, 9:31 pm

O pastor Silas Malafaia mais uma vez causou polêmica em sua entrevista no Superpop. Malafaia abordou diversos assuntos, entre eles a questão dos direitos homossexuais, controle da opinião e Marco Feliciano.

Falando sobre os direitos humanos requeridos pelos representantes da causa LGBT, Silas Malafaia criticou contundentemente, em particular, os ativistas gays, alegando que eles querem privilégios em detrimento de outros setores da sociedade.

Em uma declaração anterior, Silas Malafaia afirmou “a minha questão aqui no Brasil é o direito que eles querem em detrimento da coletividade”, referindo-se aos pedidos de aprovação de leis pró-gays, como a PL 122.

“Eles querem uma lei para atacar, xingar, atingir quem eles quiserem e estarem protegidos acima de tudo”.

Em uma gravação ao Superpop, o assessor parlamentar Agripino Magalhães respondeu ao pastor, dizendo, “Silas Malafaia nós não queremos uma lei que nos proteja. A PL 122 faz com que nós tenhamos o direito de ir e vir num mundo onde nós vivemos”.

Silas apontou que o artigo 20 parágrafo 5° desse projeto de lei diz, “se um homossexual sentir um constrangimento filosófico, ético, o tal que levou ao constrangimento pega três a cinco anos de cadeia”.

Entretanto, segundo ele, isso contraria a própria Constituição Brasileira, no qual o artigo 5° diz, “ninguém será privado de direitos por convicções filosóficas, políticas e religiosas”.

“Então quer dizer que se algum gay se sentir constrangido filosoficamente me bota na cadeia de 3 a 5 anos. E ele quer dizer que essa lei não protege?”, questionou o pastor.

A apresentadora Luciana, entretanto, acredita que ainda existe muito preconceito contra os homossexuais.

“Um rapaz está andando na Paulista e é esfaqueado porque ele é gay, porque está de mão dada com o outro (…). A plc 122, eu entendi que você não concorda com muitas coisas, mas como fazer com essa facção de pessoas?” questionou ela.

Mas, de acordo com o televangelista, já existe uma lei que é para todos e que inclui os homossexuais e que por isso, não devem ter uma lei de “proteção” somente para eles.

Para o pastor evangélico, a maior questão no entanto, não está somente na questão do privilégio da classe, mas no controle da opinião. “Eles não suportam o questionamento de opinião. O que está em jogo em nosso país é patrulhamento ideológico”, comentou.

Silas Malafaia apontou que os cultos de Marco Feliciano estão sendo monitorados, referindo-se aos diversos vídeos que recentemente apareceram na internet das pregações do deputado pastor.

“Foram ver o que Marco Feliciano falou dentro da igreja. É o local protegido pela constituição. Inviolável. Crença é involável!”

“Tão monitorando o que o cara tá falando.”

“Então quer dizer que direitos humanos é só para eles, pra falar o que quiserem?”

Para concluir sobre a questão, o pastor comentou sobre o grupo de deputados que criou uma frente parlamentar contra Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara (CDHM).

“Criaram a frente parlamentar de direitos humanos contra Marco Feliciano. Todos eles apoiam o aborto. Quem apoia aborto tem moral de falar de direitos humanos?”

Silas Malafaia é pastor da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Ele realiza trabalhos sociais pela Associação Vitória em Cristo, o que lhe trouxe o recebimento da medalha de cidadão benemérito do estado do Rio de Janeiro. Malafaia já foi premiado também com medalhas de Pacificador e de mérito legislativo, maior honraria concedida pela Câmara dos Deputados.

Assista aqui o vídeo da entrevista:

Extraído do site http://portugues.christianpost.com no dia 17/04/2013


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement