Esqueceu a senha?

Quem é a força no último Jedi de Star Wars?

por Prof. Paulo Cristiano da Silva - qua jan 03, 6:23 pm

A trilogia original e grande parte da série percorre uma narrativa estranhamente dualista. Este dualismo não só cria o conflito luz / escuridão que todos nós conhecemos, mas também dá origem a vários outros dualismos relacionados: a bondade e o amor; o poder e a ganância das trevas, as habilidades de força não-violentas dos Jedi e os poderes terrivelmente violentos empregados pelos Sith. Os próprios Jedi e Sith, é claro, são outra dualidade. E todas essas dualidades dependem da ideia de que existe uma diferença essencial entre as duas coisas que vão além da simples ambição ou desejo.

O último Jedi acaba com essas dualidades. Faz isso de forma direta e indireta. Ao se recusar a nos dar backstories explicativos sobre Snoke e Rey, o escritor Rian Johnson se recusa a inserir dois de seus personagens mais interessantes no universo moral estabelecido dos filmes. Mas ele também é mais explícito: depois de matar Snoke, Kylo Ren se volta para Rey e diz a ela, pela segunda vez, deixar o passado morrer. Ele diz a ela que Snoke e os Sith estão acabadoss, mas, crucialmente, também são Lucas e os Jedi.
Surpreendentemente, Lucas parece concordar com a avaliação de Kylo. Ambos abraçam o monismo que filmes anteriores flertaram, mas que não endossaram totalmente. A Força não pertence a ninguém. Não pode ser controlada, limitada ou definida pelo Jedi ou pelo Sith. É maior do que ambos.

É claro que, se rejeitarmos o dualismo, pode-se imaginar de onde vem o conflito da história. Se a luta não é de luz versus escuridão, qual é a história de Star Wars? Chaim Saiman notou com inteligência no The Atlantic que The Last Jedi leva a uma mudança “espiritual e não religiosa” do século XXI no tratamento da religião. O tratamento da política é igualmente moderno. Na Star Wars de Johnson, você não pode tratar a Resistência como sendo essencialmente boa, de alguma forma, que a Primeira Ordem não é. Ambos os grupos são entidades políticas que procuram o poder – e não devemos esperar que sejam mais do que isso. Não devemos esperar heroísmo ou recompensar o martírio. Esse é o caminho da loucura. É impressionante que, no final da cena de abertura do filme, Poe diz a Leia que “havia heróis naquela missão”, e a resposta de Leia é um amargo, “heróis mortos”.

Então, o que impulsiona uma história em um mundo onde não existe realmente um bem ou um mal inato, mas apenas um poder? É a questão de como alguém exerce o poder. Aqui, a cena muito maligna de Canto Bight é essencial. Se não há algum tipo de qualidade interna que faça um lado bom e o outro ruim, por que devemos torcer pela resistência? A resposta está naquela cena: a Primeira Ordem usa seu poder para se enriquecer e escravizar os outros para desenvolver sua própria força. A resistência, em contraste, usa seu poder para libertar os escravizados. Isso é visto, novamente, literalmente, quando Rose deixa o cavalo em que cavalga fugir, livre, no final da cena.

Dito isto, este é um ponto chave: a resistência é melhor do que a primeira ordem puramente por causa de como ela usa o poder. Mas na busca do poder, não devemos esperar pureza.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Esta série remonta desde as décadas 70 ~ 80 etc e a ideologia “nova era” estava no auge, então criaram em Star Wars o paradigma da “Força” sugerindo um deus não-pessoal de conotação “cósmica”. mas é o velho pecado “diz o insensato no seu coração não há Deus” Salmo 14:1

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement