Esqueceu a senha?

Quem foi o autor do Evangelho de João?

por cacp - sex set 14, 11:54 pm

A evidência interna, de que o apóstolo João, filho de Zebedeu, foi de fato o escritor, consiste em tal abundância de provas, de diversos ângulos, que sobrepuja qualquer argumento em contrário. Mencionam-se aqui apenas uns poucos pontos, mas o leitor atento, com estes em mente, achará muitíssimos outros. Seguem-se alguns:

(1) O escritor do livro era evidentemente judeu, conforme indicado por sua familiaridade com as opiniões dos judeus. Jo 1:21; 6:14; 7:40; 12:34.

(2) Era habitante nativo da terra da Palestina, conforme indicado por seu conhecimento cabal do país. Os pormenores mencionados a respeito dos lugares citados indicam conhecimento pessoal deles. Ele referiu-se a “Betânia, do outro lado do Jordão” (Jo 1:28) e a ‘Betânia, perto de Jerusalém’. (11:18) Escreveu que havia um jardim no lugar onde Cristo foi pregado na cruz, e que nele havia um sepulcro novo (19:41), que Jesus falou “na tesouraria, ao estar ensinando no templo” (8:20), e que “era inverno, e Jesus estava andando no templo, na colunata de Salomão” (10:22, 23).

O próprio testemunho do escritor, e a evidência factual mostram que se tratava duma testemunha ocular. Cita o nome das pessoas que disseram ou fizeram certas coisas (Jo 1:40; 6:5, 7; 12:21; 14:5, 8, 22; 18:10); entra em pormenores quanto à hora em que sucederam os eventos (4:6, 52; 6:16; 13:30; 18:28; 19:14; 20:1; 21:4); designa, de modo factual, os números envolvidos em suas descrições, fazendo isso sem ostentação. 1:35; 2:6; 4:18; 5:5; 6:9, 19; 19:23; 21:8, 11.

O escritor era apóstolo. Ninguém, a não ser um apóstolo, podia ter sido testemunha ocular de tantos eventos ligados ao ministério de Jesus; também, seu conhecimento íntimo da mentalidade, dos sentimentos e das motivações pelos quais Jesus disse ou fez certas coisas, revela que ele era um do grupo dos 12 que acompanhou Jesus em todo o seu ministério. Por exemplo, ele nos conta que Jesus fez a Filipe uma pergunta para prová-lo, “pois ele mesmo sabia o que ia fazer”. (Jo 6:5, 6) Jesus sabia “em si mesmo que seus discípulos estavam resmungando”. (6:61) Ele sabia de ‘todas as coisas que lhe sobreviriam’. (18:4) “Gemeu no espírito e ficou aflito.” (11:33; compare isso com 13:21; 2:24; 4:1, 2; 6:15; 7:1.) O escritor também estava familiarizado com as idéias e as impressões dos apóstolos, algumas das quais eram erradas e foram corrigidas posteriormente. 2:21, 22; 11:13; 12:16; 13:28; 20:9; 21:4.

Além disso, o escritor é mencionado como “o discípulo a quem Jesus havia amado”. (Jo 21:20, 24) Ele era, evidentemente, um dos três apóstolos mais íntimos que Jesus mantinha perto de si em várias ocasiões, tais como na transfiguração (Mr 9:2), e na ocasião de sua angústia, no jardim de Getsêmani. (Mt 26:36, 37) Destes três apóstolos, elimina-se Tiago por ter sido morto por volta de 44 dC, por Herodes Agripa I. Não existe nenhuma evidência de uma data tão cedo assim da escrita deste Evangelho. Pedro é excluído por ter o seu nome mencionado junto com “o discípulo a quem Jesus havia amado”. Jo 21:20, 21.

Autenticidade

O Evangelho de João foi aceito como canônico pela primitiva congregação cristã. Aparece em quase todos os catálogos antigos, sendo neles aceito sem questão como autêntico. As epístolas de Inácio de Antioquia (c. 110 dC) contêm claros sinais de que ele usou o Evangelho de João, como também acontece com os escritos de Justino, o Mártir, uma geração depois. É encontrado em todos os códices mais importantes das Escrituras Gregas Cristãs Sinaítico, Vaticano, Alexandrino, Ephraemi, Bezae, Washington I e Koridethi bem como em todas as versões primitivas. Um fragmento deste Evangelho, contendo parte do capítulo 18 de João, encontra-se no papiro John Rylands 457 (P52), da primeira metade do segundo século. Também, partes dos capítulos 10 e 11 de João são encontrados no Papiro Chester Beatty N.° 1 (P45), e uma grande parte do livro inteiro se encontra no Papiro Bodmer N.° 2 (P66) do início do terceiro século.

Quando e onde foi escrito?

Em geral, crê-se que João já tinha sido solto do exílio na ilha de Patmos e se achava em Éfeso, ou perto dali, a cerca de 100 km de Patmos, na ocasião em que escreveu seu Evangelho, por volta de 98 dC. O imperador romano Nerva (96-98 dC) fez retornar a muitos que tinham sido exilados no fim do reinado de seu predecessor, Domiciano. João talvez estivesse entre esses. Na Revelação (Apocalipse) que João recebeu em Patmos, Éfeso era uma das congregações às quais recebeu ordens de escrever.

João atingira uma idade bem avançada, tendo provavelmente cerca de 90 ou 100 anos quando escreveu seu Evangelho. Sem dúvida, estava a par dos outros três relatos da vida e do ministério terrestres de Jesus, também dos Atos dos Apóstolos e das cartas escritas por Paulo, Pedro, Tiago e Judas. Tivera oportunidade de ver a doutrina cristã plenamente revelada e vira os efeitos da pregação desta doutrina a todas as nações. Vira também surgir o “homem que é contra a lei”. (2Te 2:3) Tinha testemunhado o cumprimento de muitas das profecias de Jesus, notadamente a destruição de Jerusalém e o fim daquele sistema judaico de coisas.

Objetivo do evangelho de João

João, inspirado por Espírito Santo, foi seletivo quanto aos eventos que escolheu registrar, pois, como diz: “De certo, Jesus efetuou muitos outros sinais, também diante dos discípulos, os quais não estão escritos neste rolo”, e: “Há, de fato, também muitas outras coisas que Jesus fez, as quais, se alguma vez fossem escritas em todos os pormenores, suponho que o próprio mundo não poderia conter os rolos escritos.” Jo 20:30; 21:25.

Tendo presente estas coisas, João declara seu objetivo em escrever o relato que foi movido por inspiração a escrever, e no qual repetiu pouco daquilo que já tinha sido escrito antes: “Mas, estes foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e que, por crerdes, tenhais vida por meio do seu nome.” Jo 20:31.

João destacou que aquilo que escrevera era real e verdadeiro, e que havia realmente ocorrido. (Jo 1:14; 21:24) Seu Evangelho é uma valiosa adição ao cânon da Bíblia, como evidência real duma testemunha ocular por parte do último apóstolo vivo de Jesus Cristo.

Amplamente divulgado

As Boas Novas Segundo João têm sido a mais amplamente divulgada parte da Bíblia. Milhares de exemplares do Evangelho de João, em separado, foram impressos e distribuídos além de ele ser incluído nos exemplares da Bíblia inteira.

Valor

Em harmonia com Apocalipse, em que Jesus Cristo declara que ele é “o princípio da criação de Deus” (Ap. 3:14), João indica que Este estava com Deus “no princípio”, e que “todas as coisas vieram à existência por intermédio dele”. (Jo 1:1-3) Em todo o Evangelho, ele destaca a intimidade deste Filho unigênito de Deus com o seu Pai, e cita muitas das declarações de Jesus que revelam tal intimidade. Em todo o livro, deixa-se-nos cônscios da relação entre Pai e Filho, a sujeição do Filho e a adoração de Deus, pelo seu Filho. (Jo 20:17) Tal intimidade habilitou o Filho a revelar o Pai como ninguém mais poderia fazê-lo, e como os servos de Deus, dos tempos passados, jamais imaginaram. E João destaca o amor afetuoso do Pai pelo Filho, e por aqueles que se tornam filhos de Deus por exercerem fé no Filho.

Jesus Cristo é apresentado como o canal de Deus para a bênção da humanidade e como a única via de aproximação a Deus. Revela-se Jesus como o Único por meio de quem vêm a graça e a verdade (Jo 1:17), também como “o Cordeiro de Deus” (1:29), o “Filho unigênito de Deus” (3:18), o “noivo” (3:29), “o verdadeiro pão do céu” (6:32), “o pão de Deus” (6:33), “o pão da vida” (6:35), “o pão vivo” (6:51), “a luz do mundo” (8:12), o “Filho do homem” (9:35), “a porta” do aprisco (10:9), “o pastor excelente” (10:11), “a ressurreição e a vida” (11:25), “o caminho, e a verdade, e a vida” (14:6), e “a verdadeira videira” (15:1).

Enfatiza-se a posição de Jesus Cristo como Rei (Jo 1:49; 12:13; 18:33), também sua autoridade como Juiz (5:27), e o poder de ressurreição que lhe foi concedido pelo Pai. (5:28, 29; 11:25) João revela o papel de Cristo em enviar o Espírito Santo como “ajudador”, para atuar como recordador ou lembrador, como testemunha em favor de Jesus e como instrutor. (14:26; 15:26; 16:14, 15) Mas João não permite que o leitor perca de vista que se trata realmente do Espírito de Deus, que emana de Deus e que é enviado por Sua autoridade. Jesus deixou claro que o Espírito Santo não poderia vir em tal qualidade a menos que Jesus fosse para o Pai, que é maior do que ele. (16:7; 14:28) Daí, seus discípulos fariam obras ainda maiores, pois Cristo estaria de novo com o seu Pai e responderia aos pedidos feitos em seu próprio nome, tudo com a finalidade de glorificar o Pai. 14:12-14.

João também revela Jesus Cristo como o resgate sacrificial pela humanidade. (Jo 3:16; 15:13) Seu título, “Filho do homem”, nos faz lembrar que está mui intimamente vinculado ao homem por se ter tornado carne, sendo parente do homem, e, por tal motivo, conforme prefigurado na Lei, é o resgatador e o vingador de sangue. (Le 25:25; Núm 35:19) Cristo disse a seus discípulos que o governante deste mundo não tinha nenhum poder sobre ele, mas que havia vencido o mundo, e, em resultado disso, o mundo fora julgado e seu governante seria lançado fora. (Jo 12:31; 14:30) Encoraja-se os seguidores de Jesus a vencer o mundo por se manterem leais e íntegros a Deus, assim como Jesus. (Jo 16:33) Isto se harmoniza com a Revelação (Apocalipse) que João recebeu, em que Cristo repete a necessidade de ser vencedor, e promete ricas recompensas celestiais junto com ele aos que estiverem em união com ele. Ap. 2:7, 11, 17, 26; 3:5, 12, 21.

Fonte: http://www.fortalezaredes.com.br


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

8 Comentários

Comentários 1 - 8 de 8Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Creio que o Evangelho de João foi escrito pelo Apostolo João e que tudo que foi escrito nesse Evangelho a respeito de Jesus é verdade!

  2. Testemunho da Igreja sobre o Evangelho de João.Ireneu : “João, discípulo do Senhor, aquele que se reclinou sobre o peito escreveu também o evangelho durante a permanência em Éfeso”.
    desde Século II era afirmado que Evangelho de João foi escrito por João:um apostolo de Jesus.

  3. O Cânon Muritano(170)diz que o Evangelho de João foi escrito por João ,Os Cristãos Inácio de Antioquia,Justino,Irineu,Teófilo de Antioquia,Clemente de Alexandria,Tertuliano,Eusebio e Atanacio usaram o Evangelho de João.isso prova que o Evangelho de João diz a verdade a respeito de Jesus.

  4. Todo apóstolo pode ser um discípulo, mas o discípulo não pode ser apóstolo……e JESUS tinha apóstolos e discípulos….não confunda discípulo com apóstolo… JOÃO era apóstolo e não discípulo. Deus seja louvado….amem

  5.   Se ainda estiver com duvidas leiam em João 24,” Este é o DISCÍPULO que dá testemunho a respeito destas coisas e que as escreveu; e sabemos que seu testemunho é verdadeiro”. Portanto João que era apóstolo não escreveu o Evangelho

  6. joao pereira da silva.sabias que João era discípulo de Jesus e foi escolhido Apostolo por Jesus.Não confundi nada.João era servo de Deus e embora fosse Apostolo Não fazia disso um motivo de Orgulho,por isso se referia a si mesmo como Discipulo com Humildade.

  7. joao pereira da silva.Todos os Apostolos era Discípulos de Jesus.foram escolhidos como Discípulos especiais.eles espalhariam a Doutrina de Jesus pelo mundo.

  8. joao pereira da silva. Existe Testemunhos Historicos da Antiga Igreja Cristã de que o Apostolo João viveu me Efeso no Final do Século I.nesse Período o Apostolo João escreveu o Evangelho de João.o Apostolo João foi o Ultimo apostolo de Jesus que escreveu 1 Evangelho,3 Cartas e o Apocalipse.

Comentários 1 - 8 de 8Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement