Esqueceu a senha?

Respostas as 10 Perguntas de Azenilto Brito

por Prof. Paulo Cristiano da Silva - qua set 05, 10:55 pm

Tudo começou com um desafio. UMA CARTA NÃO RESPONDIDA foi endereçada aos internautas pelo eminente professor Azenilto, fazendo um desafio a todos os leitores para tentar responder sua carta. Certo alo de soberba constitui a característica pessoal desse cidadão. Considera-se o imbatível. Quando escreve o faz em tom de desafio como se ninguém fosse capaz de atingir as culminâncias da sua lógica. Encontrou resistência como o fiz respondendo sua carta acima, é de ver-se as xingações destacando-se uma que me feriu profundamente. Com todas as letras e entre espaços se dignou chamar-me de C*A*N*A*L*H*A. Tente escrever espaçosamente essa palavra, intercalada com um asterisco, como o eminente Azenilto o fez e sinta como é trabalhoso. Pois é: ele teve toda a paciência de assim proceder. Exímio xingador!

Agora começa seu novo desafio com as seguintes palavras, “Eu acho que, até por uma questão de educação, primeiro se respondem as perguntas que nos são dirigidas antes de dirigir perguntas a um interlocutor.” Até parece que o nosso amigo não lê a Bíblia, pois se a lesse teria considerado Jesus como sem educação. Quantas vezes ele respondeu as perguntas dos seus acusadores com outras perguntas? Mt 21.23-25; 22.17-20

Mas, não é o caso. É apenas evasiva do amigo Azenilto porque sabe ele que sua primeira pergunta, das 10 a serem consideradas, é resultado de uma série de perguntas que foram por mim formuladas apontando biblicamente que o sábado semanal é um preceito cerimonial dentro dos 10 mandamentos como também fora dos 10 mandamentos há preceitos morais embora os adventistas apontem que fora 10 mandamentos, todos os demais são preceitos cerimoniais por constarem do livro da lei, escrito por Moisés e colocado ao lado da arca. Ele se ateve apenas a primeira sem responder às demais. Agora, lança ele 10 perguntas. Exige a resposta e começa com a lenga-lenga de que devo primeiro responder o que ele pergunta. E as demais que anteriormente eu fizera e que não mereceram respostas até agora?

E, como lhe é característico, parte para a ofensa dizendo que me é próprio adotar “ táticas despistadoras”. Essa expressão agressiva é como que me chamando de covarde que foge ao debate.

Entretanto, quero agradecer ao Azenilto a elevada consideração de iniciar suas perguntas com um elogio que me fez vaidoso. Diz ele que suas perguntas foram motivadas por um artigo publicado no TIME, semanário internacional, que costuma entrevistar uma personalidade ilustre e fazer-lhe sempre 10 perguntas. Ora, ora, Azenilto, quem sou eu para ser guindado ao êxtase de ser considerado por V. S. como personalidade conhecida no mundo das seitas? Como disse, agradeço o subido elogio.

RESPOSTA ÁS DEZ PERGUNTAS 

1o. Se Deus abominou o sábado em Isaías 1:13 [como alega num de seus sofismas anti-sabáticos], como pôde depois requerer a sua fiel observância em Isa. 58:13 e 14 e recomendá-lo até aos “filhos dos estrangeiros” em Isa. 56:6 e 7, e ainda definir o mesmo sábado como o “sinal” particular entre Ele e Seu povo em Ezequiel 20:12 e 20, e ainda indicando que prosseguirá pela eternidade (Isa. 66:22, 23)? Se não sabe, Ezequiel foi escrito DEPOIS de Isaías.

Resposta: Muito fácil mesmo de responder sua objeção. É só você se lembrar que a circuncisão era um preceito instituído por Deus com o seu povo de Israel e nem por isso deixou de ser abandonada como sem valor para o cristianismo.

(GN 17:10) “Esta é a minha aliança, que guardareis entre mim e vós, e a tua descendência depois de ti: Que todo o homem entre vós será circuncidado.”

(GN 17:11) “E circuncidareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal da aliança entre mim e vós.”

(GN 17:12) “O filho de oito dias, pois, será circuncidado, todo o homem nas vossas gerações; o nascido na casa, e o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua descendência.”

(GN 17:13) “Com efeito será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; e estará a minha aliança na vossa carne por aliança perpétua.”

(GN 17:14) “E o homem incircunciso, cuja carne do prepúcio não estiver circuncidada, aquela alma será extirpada do seu povo; quebrou a minha aliança.”

(GN 17:15) “Disse Deus mais a Abraão: A Sarai tua mulher não chamarás mais pelo nome de Sarai, mas Sara será o seu nome.”

(GN 17:16) “Porque eu a hei de abençoar, e te darei dela um filho; e a abençoarei, e será mãe das nações; reis de povos sairão dela.”

(GN 17:17) “Então caiu Abraão sobre o seu rosto, e riu-se, e disse no seu coração: A um homem de cem anos há de nascer um filho? E dará à luz Sara da idade de noventa anos?”

(GN 17:18) “E disse Abraão a Deus: Quem dera que viva Ismael diante de teu rosto!”
Entretanto, lendo os escritos de Paulo vamos notar o que ele escreveu sobre essa prática que assinalava um sinal entre Deus e o povo de Israel estar sem valor.

(RM 3:1) “QUAL é, pois, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão?”

(RM 4:10) “Como lhe foi, pois, imputada? Estando na circuncisão ou na incircuncisão? Não na circuncisão, mas na incircuncisão.”

(1CO 7:19) “A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Deus.”

(GL 5:6) “Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor.”

(Fl 3:2) “Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão;”

Ora, o sábado era também um sinal entre Deus e o povo de Israel (Ex 31.15-17). Mas, não deixou de ser um preceito cerimonial, que, ao lado de outros preceitos cerimoniais apontados por Is 1.13 causava abominação a Deus.

(IS 1:13) “Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene.”

(IS 1:14) “As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer.”

Jesus considerou que a circuncisão era mais valiosa para o povo judeu do que propriamente a guarda do sábado. É só ler

(JO 7:22) “Pelo motivo de que Moisés vos deu a circuncisão (não que fosse de Moisés, mas dos pais), no sábado circuncidais um homem.”

(JO 7:23) “Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem?”

Se o sábado fosse um preceito moral, como poderia estar subordinado a um preceito cerimonial? A circuncisão não era um preceito cerimonial que, também, constituía o selo ou sinal entre Deus e o povo de Israel? Tanto um como o outro estão no mesmo patamar de preceitos cerimoniais e abolidos (Cl 2.16)

Quanto a Is 56.6-7 devo dizer que se essa passagem prova que os gentios devem guardar o sábado, da mesma maneira prova que devem guardar todo o “concerto”que Deus fez com Israel, oferecendo “holocaustos”e “sacrifícios”no altar, no “santo monte” em Jerusalém. É isso que devo entender, Azenilto? É assim que você faz como gentio ou “estrangeiro”? Ou usa de parcialidade e, sem raciocinar, apenas adotando o ponto de vista de EGW, engole sem mastigar o que lhe ensinam? Onde está a lógica do seu raciocínio que só enxerga o sábado? Por que essa falta de coerência?

Quanto ao sábado ser guardado na eternidade, repito a pergunta que lhe tenho feito: e as luas novas de que fala o texto de Is 66.23? Por que, de novo, essa parcialidade de enxergar só o sábado quando o texto é abrangente falando do sábado e da lua nova? Se um vai ser guardado o outro também. Fora disso, é sofisma.

2o. Já que se vale do “argumento do silêncio” para “provar” que o sábado era desconhecido por Adão, tem meios de demonstrar biblicamente que ele trabalhava na sua profissão de hortelão do jardim (Gên. 2:15) todos os sétimos dias?

Resposta: Não me valho do “argumento do silêncio” para provar coisa alguma. Essa de que Adão descansava nos sétimos dias é a opinião de EGW. Contrária a sua declaração está a literatura da IASD que aponta que Adão nem tinha conhecimento do sábado. A Lição da Escola Sabatina da IASD, primeiro trimestre de 1980, edição para professores, p. 7 declara: “É certo que antes do Sinai a raça humana não tinha mais que uma limitada revelação de Deus. Sem dúvida, Abraão e seus descendentes tinham conhecimento muito maior, mas este conhecimento representava apenas fração diminuta do mundo anterior ao Sinai. Contudo, as pessoas nesse período também morriam, como Paulo salientou. A morte passou a todos os homens. Embora eles não tivessem pecado contra uma ordem expressamente dada, como no caso de Adão,haviam pecado também. Tiveram a revelação de Deus na Natureza, mas não responderam a esta revelação, sendo deste modo tidos como culpados.” Essa declaração está de acordo com o que Paulo escreveu em:

(RM 1:18) “Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça.”
(RM 1:19) “Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.”
(RM 1:20) “Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;”
(RM 1:21) “Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.”

Entretanto, o que Paulo afirmou e foi confirmado pela revista indicada está em desacordo com o que EGW escreveu: Ela escreveu:

“Adão e Eva, ao serem criados, tinham conhecimento da lei de Deus… Adão ensinou a seus descendentes a lei de Deus, e esta foi transmitida de pai a filho através de gerações sucessivas.” (Patriarcas e Profetas, p. 32, 3a. edição)

Você não ignora que quando ela fala em lei de Deus ela se refere aos dez mandamentos. Sua pergunta está baseada nos ensinos de EGW e não na Bíblia.Ora, se V. S. alega que me valho de ‘argumentos do silêncio’ e se não posso provar que Adão trabalhava na sua profissão de hortelão todos os sétimos dias, que prova V.S tem de que ele não trabalhava nos sétimos dias, considerando que a IASD ensina que Adão não tinha conhecimento do sábado? Fico assombrado com tal pergunta especulativa, partida de quem partiu, de um professor de Bíblia! Isso já é sabatolatria admitir que Adão, como hortelão, não trabalhava nos sétimos dias.

3o. Afinal, qual foi a atitude de Cristo para com o sábado? Ele o transgredia voluntariamente (mas nesse caso seria um violador de uma lei que ainda não havia sido abolida), ou apenas deixava uma “pista” a Seus seguidores para o desprezarem (mas nesse caso não convenceu nem Sua mãe e as demais santas mulheres que “no sábado repousaram segundo o mandamento” [Luc. 23:56–nem Lucas. . .]).

Resposta: Sua afirmação é gratuita ao afirmar que Jesus transgredia voluntariamente o sábado. O que temos dito, e você não conseguiu provar ao contrário, é que Jesus considerou o sábado um preceito cerimonial. Ensinou que a circuncisão era observada de preferência à guarda do sábado: 

(JO 7:22) “Pelo motivo de que Moisés vos deu a circuncisão (não que fosse de Moisés, mas dos pais), no sábado circuncidais um homem.”

(JO 7:23) “Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem?”

Enquanto os adventistas se esforçam para provar que o sábado deve ser observado, embora não se encontre um só adventista que o guarde como ordena a lei inclusive V. S.,

Pois acendem fogo no dia de sábado em suas casas, proibido por:

(ÊX 35:3) “Não acendereis fogo em nenhuma das vossas moradas no dia do sábado.”, procuram provar que as mulheres que acompanhavam Jesus guardaram o sábado.

Ora, com relação às mulheres que guardaram o sábado, na verdade, elas o fizeram antes da ressurreição de Jesus e Paulo declara que o sábado semanal foi abolido na cruz (Cl 2.16-17) e Jesus só ressuscitou no primeiro dia da semana (Mc 16.9). Elas guardaram o sábado antes da ressurreição e não depois (Ap 1.10)

4o. Por que exatamente Deus proclamou solenemente aos ouvidos do povo o “mandamento cerimonial” do sábado, antes de escrever o Decálogo em tábuas de pedra (e duas vezes), misturando-o com os demais, de caráter moral, em vez de deixar para ditá-lo a Moisés para registrá-lo no livro, junto com as demais cerimônias?

Resposta: Pela mesma razão que Deus deu o mandamento da circuncisão conforme o registro de Gn 17.10-14 antes de escrever o decálogo em duas tábuas de pedra. . Ora, V. S. declara que Moisés escreveu um livro onde se encontravam as leis cerimoniais. Está aí bem claro.

Textualmente escreve: “em vez de deixar para ditá-lo a Moisés para registrá-lo no livro, junto com as demais cerimônias?” Pode negar que os dez mandamentos se encontram duas vezes registrados no livro da lei, colocado ao lado da arca e que V. S. reconhece como leis cerimoniais? Ninguém que conhece a Bíblia pode ignorar que Ex 20.1-17 e Dt 5.6-21 repetem os dez mandamentos. Afinal, a importância está nas tábuas de pedra ou no próprio mandamento? Com a sua pergunta você coloca os dez mandamentos no nível de leis cerimoniais por estarem escritos duas vezes no livro que Moisés escreveu.

Jesus definiu como mandamentos de maior importância não os que estavam no decálogo, mas os que estavam no livro da lei que Moisés escreveu e colocou ao lado da arca.
Eles são apontados em Dt 6.5 e Lv 19.18.

(DT 6:5) “Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.”

(LV 19:18) “Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.”

Parece que, para os adventistas, as tábuas de pedras são mais importantes. Será que as pedras estão ocasionando a mesma idolatria que causou a serpente de metal que passou a ser objeto de adoração? Mas confesso: quase que se precisa ser onisciente para entender o que você tem em mente e depois procura escrever. Nunca li perguntas tão mal redigidas e enigmáticas!

5o. Por que no livro de Hebreus, que detalha o sentido do cerimonial judaico nos caps. 7 a 10, o sábado (que seria cerimonial na sua interpretação) não está incluído em tais capítulos, mas recebe tratamento muito especial nos caps. 3 e 4 onde de modo algum é dito ser cerimonial e que findou com a dispensação cristã?

Resposta: Como não? Só no seu entendimento é que isso não ocorreu. Se V. S. entender bem o que está escrito em Hb 3 e 4 não poderá chegar a outra conclusão. É evidente que o repouso de que se trata em Hb 4. não foi o do sétimo dia indicado no quarto mandamento, senão o repouso de uma de fé em Deus. A idéia central do texto é “(HB 4:9) “Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus.” Literalmente, esta frase quer dizer “resta ainda um repouso para o povo de Deus” e para entender o significado completo da passagem inteira, vamos considerar o seguinte. Na primeira parte o escritor está falando dos judeus e sua experiência no deserto e na terra prometida depois de saírem da escravidão do Egito. Escrevendo aos cristãos hebreus, o autor lhes adverte que seus pais (os israelitas dos tempos de Josué e Calebe) deixaram de entrar no repouso de Deus (Canaã) por causa da desobediência. É evidente que o descanso de que aqui se fala não foi o sétimo dia da semana , mas o descanso de que goza uma vida de fé em Deus. Debaixo do Antigo Concerto os israelitas não puderam entrar na terra prometida, em decorrência da desobediência.

a. v. 4: Deus repousou depois de haver criado o mundo;

b. v.9: Os profetas falaram de antemão de um outro dia (Sl118.24) em vez do sétimo, para comemorar o repouso maior que se seguiria a uma obra maior do que a criação;

c. v. 8: A este repouso maior, Josué nunca pode guiar o seu povo;

d. v.10:Jesus, havendo terminado sua obra de redenção na cruz (Jo 19.30), repousou ele mesmo no primeiro dia da semana (Mc 16.9), como Deus havia repousado da sua (Gn 2.2);

e. Na cruz foi abolido o sábado semanal (Os 2.11 comparado com Cl 2.14-17);

f. Em comemoração ao glorioso repouso que se seguiu a uma obra maior de redenção, resta guardar um descanso para o povo de Deus. Esse descanso encontramos em Jesus (Mt 11.28-30).

Foi necessário esse argumento para mostrar ao judeu, que se gloriava no seu sábado, que o cristão tem um descanso melhor e superior ao sábado do povo de Israel (Ap 1.10; Sl 118.22-24).

6o. Por que no Concílio de Jerusalém, nas decisões tomadas a respeito das coisas que NÃO deviam preocupar os cristãos, nada é dito sobre o sábado ser evitado (como as demais coisas alistadas em Atos 15:29)? Isso não prova que os cristãos NÃO tinham tal tipo de preocupação quanto a dever ou não observar o sábado como tinham quanto à circuncisão, por exemplo (todos o guardavam, especialmente por serem os primeiros crentes originariamente judeus “zelosos da lei”–Atos 21:20)?

Resposta: Ora, ora, amigão: quanta incoerência! Você mesmo reconhece que o sábado não está incluído entre as obrigações dos cristãos, na decisão do concílio de Jerusalém. (At 15.29) Ora, se V. S. reconhece essa falta de apoio para a sua guarda, por não ser mencionado entre os deveres dos cristãos sob a nova aliança, por que então você reivindica sua guarda? Simplesmente pela omissão? Não entendo como V. S. aponta que não consta apoio na decisão do concílio a favor do sábado e por que então não abandona essa preocupação de procurar que outros guardem, já que, na prática, não o guarda mesmo???

7o. Seria Paulo tão contraditório, dizendo aos romanos que tanto fazia observar certos dias ou não (Rom. 14:5, 6), mas aos gálatas não abriu mão quanto a observar “dias, e meses, e tempos, e anos” (Gál. 4:9, 10)?
Resposta: Paulo não era contraditório sobre o seu ensino em Rm 14.5-6 e V. S. reconhece, com propriedade, que, para ele, a guarda de dias era assunto secundário, apenas ritual. Parabéns por esse reconhecimento que lhe não passou despercebido. Agora, com relação a Gl 4.9-10, sem ser ele contraditório, segue coerentemente sua linha de raciocínio considerando que cristãos que viviam observando os “dias, e meses, e tempos, e anos” que não passavam de “rudimentos fracos e pobres” e, com isso, estar pondo em xeque a própria salvação.Não vemos nenhuma incoerência nas suas palavras de:

(GL 4:9) “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?”

(GL 4:10) ” dias, e meses, e tempos, e anos

(GL 4:11) “Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.”

Gl 4.9-11 em confronto com Rm 14.5-6

Para entender Gl 4.9-11, corretamente, é preciso ler o contexto. A questão central do livro de Gálatas é o Antigo Concerto e sua ligação com os cristãos. Existiam alguns azeniltos na igreja da Galácia que estavam ensinando que os cristãos precisavam andar conforme a lei. Paulo responde a esses falsos professores claramente o seguinte:

(GL 4:21) “Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei?”

Faz Paulo uma comparação da lei com a figura do tutor e deixa claro que os cristãos não estavam sob tutor.

(GL 4:1) “DIGO, pois, que todo o tempo que o herdeiro é menino em nada difere do servo, ainda que seja senhor de tudo;”

(GL 4:2) “Mas está debaixo de tutores e curadores até ao tempo determinado pelo pai.”

Com isso em mente leiamos de novo:

(GL 4:9) “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?”

(GL 4:10) ” Guardais dias, e meses, e tempos, e anos

(GL 4:11) “Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.” 

Note que Paulo usa uma expressão muito significativa, “rudimentos fracos e pobres…” Essa expressão se refere ao Antigo Concerto. O que eram “dias, e meses, e tempos, e anos”? Os azeniltos da Galácia estavam procurando persuadir os gálatas a observar a lei. Paulo está lutando contra esse ensino. Ele está argumentando que a observância de preceitos como sábados semanais, luas novas e festividades anuais colocavam os cristãos sob maldição e que sua salvação estava periclitando. Isso o que estava acontecendo na Galácia era o mesmo que estava ocorrendo em Colossos e isto é claro em (CL 2:16) “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,”.

Torna-se claro que os judaizantes tinham persuadido alguns cristãos a observarem dias sagrados do Antigo Concerto e Paulo temia em ter trabalhado em vão com eles. “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como torna8o. Qual era exatamente a situação em Colossos, com os hereges locais julgando os cristãos quanto a suas práticas religiosas, guarda do sábado, etc? Quem eram esses hereges colossenses, o que exatamente ensinavam, em que maneira perturbavam a comunidade cristã, especialmente em vista de que na epístola inteira a palavra “lei” nem aparece (sinal que não Paulo não está discutindo validade ou não da lei, em qualquer de seus aspectos)?

Resposta: Francamente, Professor Azenilto. Você dá cada fora que me deixa boquiaberto. Como, pergunto a mim mesmo, pode alguém que se intitula professor de Bíblia chegar a tamanha ignorância de assuntos ligados à Bíblia e questionar sobre a situação religiosa dos Colossenses e indagar, “Quem era esses hereges colossenses, o que exatamente ensinavam, em que maneira perturbavam a comunidade cristã, especialmente em vista que na epístola inteira a palavra “lei” nem aparece (sinal que Paulo não está discutindo validade ou não da lei, em qualquer de seus aspectos). Reitero minha pergunta: Onde é que V. S. obteve tal informação sobre os colossenses? Vamos considerar juntos o pano de fundo da epístola em tela.

Em Cl 2.16 Paulo estabelece, “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,”

Quais são os “rudimentos do mundo” a que se refere Paulo em Cl 2.8,20?

(CL 2:8) “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;”

(CL 2:20) “Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como:” 

Porventura se refere ele,como V. S. declara, a alguma heresia de sincretista em Colossos ou está se referindo ao Antigo Concerto?

Como entender “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,” de Cl 2.16?

Vamos estudar o contexto e então definir o que Paulo quer dizer com “rudimentos do mundo”.

Vamos ler juntos Cl 2.8-23

(CL 2:8) “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;”

(CL 2:9) “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade;”

(CL 2:10) “E estais perfeitos nele, que é a cabeça de todo o principado e potestade;”

(CL 2:11) “No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, a circuncisão de Cristo;”

(CL 2:12) “Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos.”

(CL 2:13) “E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas,”

(CL 2:14) “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.”

(CL 2:15) “E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.”

(CL 2:16) “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,”

(CL 2:17) “Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.”

(CL 2:18) “Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão,”

(CL 2:19) “E não ligado à cabeça, da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo em aumento de Deus.”

(CL 2:20) “Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como:”

(CL 2:21) “Não toques, não proves, não manuseies?”

(CL 2:22) “As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens;”

(CL 2:23) “As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne.”

No v. 8 Paulo começa a prevenir contra várias coisas que serviriam para completar a obra da redenção realizada por Jesus e que poderiam torná-los cativos e desencorajá-los na fé.

“Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;”

“Rudimentos do mundo”

O que significa a expressão de Paulo “rudimentos do mundo?”

Leiamos Gl 4.1-5

(GL 4:1) “DIGO, pois, que todo o tempo que o herdeiro é menino em nada difere do servo, ainda que seja senhor de tudo;”

(GL 4:2) “Mas está debaixo de tutores e curadores até ao tempo determinado pelo pai.”

(GL 4:3) “Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos à servidão debaixo dos primeiros rudimentos do mundo.”

(GL 4:4) “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,”

(GL 4:5) “Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.”

Paulo mostra que antes da vinda de Cristo os judeus estavam presos aos elementares “rudimentos do mundo”. Explana que essa expressão se aplica aqueles que andavam sob a lei”. Aqui então ele define que “rudimentos do mundo” como sendo o Antigo Concerto.

Em Hb 5 a expressão é identificada como os oráculos de Deus – o Antigo Concerto. Mostrando como Cristo é superior ao Sumo Sacerdote do Antigo concerto o escritor afirma, (HB 5:12) “Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento.”

Em CL 2:20-22 Paulo declara:

“Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como:

Não toques, não proves, não manuseies?

As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens;” Ele fala de morrer para aos princípios elementares do mundo” 

Em Rm 7.4 ele repete “Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus.”

Em Cl 2.20-22 Paulo fala de morrer com Cristo a esses “rudimentos do mundo” ainda em Romanos em morrer para a lei para Cristo. Usa de novo, a expressão “rudimentos do mundo” em conexão com o Antigo Concerto. Considerando que a expressão “rudimentos do mundo” é aplicada com relação ao Antigo Concerto em outras ocasiões,

Somos perfeitos em Cristo
(CL 2:9) “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade;”

(CL 2:10) “E estais perfeitos nele, que é a cabeça de todo o principado e potestade;”

Este é o argumento central de Paulo. Ele corajosamente defende a posição segundo a qual em Jesus o cristão está “perfeito” em Cristo. Esta é a verdade que Paulo está defendendo contra aqueles que falavam, Sim, Paulo, Jesus é a verdade, mas é necessário circuncidar-se e observar a lei de Moisés. “Alguns, porém, da seita dos fariseus, que tinham crido, se levantaram, dizendo que era mister circuncidá-los e mandar-lhes que guardassem a lei de Moisés.” (At 15.5)

Ordenanças Cravadas na Cruz

(CL 2:14) “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.”

(CL 2:15) “E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.”

(CL 2:16) “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,”

(CL 2:17) “Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.” Cl 2.14-15

O que significava a expressão “cédula que era contra nós “ cravada na cruz? No contexto, Paulo mostra estar falando do Antigo Concerto. Era o Antigo Concerto de alguma forma contra nós? (DT 31:26) “Tomai este livro da lei, e ponde-o ao lado da arca da aliança do SENHOR vosso Deus, para que ali esteja por testemunha contra ti.”

A maldição da lei (Dt 28.15-68) pela violação de qualquer dos 613 mandamentos foi removida ou cravada na cruz.

“PORTANTO, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.” (Rm 8.1) 

De acordo ainda com Paulo os cristãos de Colossos tinham perdido a preciosa liberdade completa em Cristo e estavam a si mesmos se colocando debaixo do Antigo Concerto. Lamentável como a história se repita e encontremos na pessoa do Azenilto aquele fariseu que percorre céus e terra para tornar alguém um suposto guardador do sábado.

(MT 23:13) “Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando.”

(MT 23:14) “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que devorais as casas das viúvas, sob pretexto de prolongadas orações; por isso sofrereis mais rigoroso juízo.”

(MT 23:15) “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós.”

Ninguém vos julgue

Para que grupo de pessoas escreveu Paulo, “Ninguém vos julgue…”? Do contexto de Colossenses se entende que se tratava de pessoas que estavam praticando preceitos do Antigo Concerto como os rituais dos “dias de festa, lua nova e sábados”. Portanto, Paulo declara para essas pessoas “ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,”

(CL 2:17) “Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.”

(CL 2:18) “Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão,”

Porventura, lembra-se dos sonhos e visões de EGW sobre o 4o. mandamento como o principal mandamento do decálogo?

“Outra vez deve o anjo o anjo destruidor passar pela Terra. Deve haver um sinal sobre o povo de Deus, e êsse sinal é a observância de Seu santo Sábado.”(Testemunhos Seletos, vol. II, p. 183)

“Santificar o sábado ao Senhor importa em salvação eterna” (Testemunhos Seletos, vol. III, p. 22 – 2ª edição, 1956) 

Diz, mais, acerca do sábado: “

“E, se alguém cresse e guardasse o sábado, e recebesse a bênção que o acompanha, e depois o abandonasse e transgredisse o santo mandamento, fecharia a porta da Santa Cidade a si próprio, tão certo como haver um Deus que governa em cima no Céu.” (Mensagens Escolhidas, vol. 1, p.66, CASA)

“Todos quantos guardarem os mandamentos de Deus, entrarão na cidade pelas portas” e

“Alí (no céu) fomos bem vindos pois havíamos guardado os mandamentos de Deus”. [Vida e Ensinos págs. 95,107]

“…. verificando-se estar o seu caráter em harmonia com a Lei de Deus, seus pecados serão riscados, e eles próprios havidos por dignos de vida eterna” (O Grande Conflito pág. 487, CPB-1971).

9o. Se em Apoc. 1:10 o “dia do Senhor” refere-se ao domingo, por que o mesmo autor do Apocalipse, escrevendo o seu evangelho em tempo não muito distante do livro das profecias e símbolos, refere-se ao dia da Ressurreição como 1o. dia da semana, segundo a contagem judaica (mían ton sabaton–o primeiro relativo ao sábado), aliás segundo o padrão de TODOS os demais evangelistas, que escreveram seus evangelhos em torno de três décadas após o evento da Ressurreição?

Resposta: Por que “Se”? Sem qualquer dúvida, a expressão de Ap 1.10 “dia do Senhor” refere-se ao domingo. Várias traduções da Bíblia apontam para o domingo:

“Eu fui arrebatado em espírito num dia de Domingo…(Tradução de Antônio Pereira de Figueiredo)

“Num Domingo, caindo em êxtase, ouvi atrás de mim uma voz…”(Edições Paulinas)

“Um dia de Domingo, fui arrebatado em espírito.”(tradução de Mattos Soares)

“No dia do Senhor: No Domingo.”(anotação no rodapé da TLH) 

Dizem os adeptos da Igreja Adventista do Sétimo Dia, o Remanescente, no seu livro Sonhos e Visões de Jeanine Sautron p. 384/85, que “Samuel Bacchiocchi (líder adventista) realiza seminários no ‘Dia do Senhor” referindo-se ao Domingo. Em seu livro FROM SABBATH TO SUNDAY (Do Sábado Para o Domingo) o ‘dia do Senhor’ é mencionado como sendo o domingo 51 vezes somente nas primeiras 160 páginas do livro.”

E o prezado amigo sabe quem foi o tradutor desse livro. Porventura não tinha consciência do que traduzia? Pergunte ao Azenilto.

Quanto às palavras gregas mian ton sabaton, traduzidas por “No primeiro dia da semana” é assim consignada nos evangelhos:

“… ao findar do sábado… (Mt 28.1)

(ou então, conforme o trecho pode ser ainda melhor traduzido:

“Depois ao sábado…”

O evangelho de Marcos diz,

“Passado o sábado… (Mc 16.1)

E o evangelho de Lucas estabelece,

“…no primeiro dia da semana… (Lc 24.1)

Todos os três sinópticos ajuntam frases adicionais, a saber:

“… alta madrugada…”(em Lucas)

“… muito cedo…”(em Marcos) e

“… ao entrar o primeiro dia da semana…”(em Mateus)

Tudo isso mostra-nos que quando chegou o raiar do dia do primeiro dia da semana, ou domingo, o Senhor Jesus já havia ressuscitado dentre os mortos.

10o. Por que quando é feita referência ao Novo Concerto, o autor de Hebreus não diz que Deus escreve a “lei de Cristo”, ou “lei da graça”, ou “lei da fé”, ou “lei do Espírito” nos corações e mentes dos que aceitam os seus termos (o Israel espiritual, de judeus e gentios), e sim as “Minhas leis”–as mesmas de Jeremias 31:31-33–e nada diz que houve qualquer alteração quanto ao dia de repouso (ver Hebreus 8:6-10 e 10:16)?

Resposta: Sua pergunta é meio infantil. Pergunto: se é, como você diz, que a expressão “Minhas leis” de Hb 8.10 e 10.16 são as mesmas de Jr 31.31-33 por que, então, se chama Novo Concerto? Afinal, o que era novo? A mudança de lugar das tábuas de pedras para tábuas de carne do coração ou a mudança das leis (2 Co 3.6-11)? Por que em Jr 31.32 se declara, “Não conforme o concerto que fiz com seus pais…” Se o Novo Concerto não é conforme o Antigo concerto, obviamente que é diferente.
O que significa a expressão, (HB 8:7) “Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda.” O Antigo Concerto ou Antiga Aliança tinha defeitos e se fosse irrepreensível não se teria buscado lugar para o Novo Concerto (Mt 26.26-28)
Logo, a expressão de Hb 8.10 está falando da lei de Cristo (1 Co 9.21); ou lei da fé (Rm 3.27) ou lei da graça (Rm 6.14). Quanto aos preceitos cerimoniais da lei, inclusive o sábado semanal, foram cravados na cruz (Cl 2.16).

SÁBADO SEMANAL: PRECEITO MORAL OU CERIMONIAL? 

Pode provar Sr. Azenilto que o sábado semanal seja um preceito moral?

1.Seria a guarda do sábado um preceito moral quando o próprio Deus declarou ser a sua guarda abominável aos seus olhos?

Base bíblica:

Isaias ,1.13: “Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniquidade, nem mesmo a reunião solene.”

2. Seria a guarda do sábado um preceito moral quando a sua guarda ficava subordinada à circuncisão? A lei de Moisés estabelecia que a circuncisão ocorresse no oitavo dia do nascimento da criança do sexo masculino (Lv 12.3). Se esse oitavo dia caísse num sábado, o sábado podia ser violado, para que a circuncisão fosse realizada. Como podia um preceito moral, segundo os sabatistas, ficar subordinado a um preceito cerimonial ou ritual?

Base bíblica:

João 7.22-23: “Pelo motivo de que Moisés vos deu a circuncisão (não que fosse de Moisés, mas dos pais), no sábado circuncidais um homem. Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem?”

3. Seria a guarda do sábado um preceito moral considerando que os sacerdotes no templo violavam o sábado para celebrar holocaustos e sacrifícios exigidos pela lei, ficando sem culpa?

Base bíblica:

Mateus 12.5: “Ou não tendes lido na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa?”

4. Seria a guarda do sábado um preceito moral quando sua guarda era comparada à violação de um preceito ritual como o caso de Davi que comeu os pães da proposição reservados exclusivamente aos sacerdotes?

Base bíblica:

Mateus 12.4-5: “Não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele os que com ele estavam? Como entrou na casa de Deus, e comeu os pães da proposição, que não lhe era lícito comer, nem aos que com ele estavam, mas só aos sacerdotes.”

5. Seria a guarda do sábado um preceito moral quando os judeus, para quem o sábado foi dado, não retrucaram a Jesus quando estabeleceu o paralelo entre a acusação dos judeus de que os discípulos de Jesus estavam colhendo espigas e comendo-as o que, segundo eles, não era lícito fazer no sábado, com o exemplo de Davi que comeu os pães da proposição? Poderia um preceito moral ficar subordinado a um preceito cerimonial ou ritual (comer os pães da proposição)?

Base bíblica:

Mateus 12.1-3: “Naquele tempo passou Jesus pelas searas, em um Sábado; e os seus discípulos, tendo fome, começaram a colher espigas, e a comer. E os fariseus, vendo disseram-lhe: Eis que os teus discípulos fazem o que não é lícito fazer num sábado”?

6. Seria a guarda do sábado um preceito moral considerando que Jesus curou o paralítico postado à beira do tanque de Betesda e ordenou que ele carregasse a sua cama num dia de sábado?

Base bíblica:

Jo 5.8-11 “Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda. Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado. Então os judeus disseram àquele que tinha sido curado: É sábado, não te é lícito levar o leito. Ele respondeu-lhes: Aquele que me curou, ele próprio disse: Toma o teu leito, e anda.”

7. Seria a guarda do sábado um preceito moral quando Paulo compara a guarda do sábado como algo que implicava na perda salvação?

Base bíblica:

Gl 4.9-11: “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.”

8. Seria a guarda do sábado um preceito moral considerando que Paulo anunciou todo o conselho de Deus e não deixou nada do que fosse útil ensinar aos cristãos e nunca mandou guardar o sábado?

Base bíblica;

“Como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar, e ensinar publicamente e pelas casas.” “Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus.” (At 20.20,27)

9. Seria a guarda do sábado um preceito moral quando Paulo afirma que não faz diferença se alguém guarda um dia e se outro guarda outro pois tudo isso é coisa indiferente?

Base bíblica:

“Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.” Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. “(Rm 14.5-6)

10. Seria a guarda do sábado um preceito moral considerando que Paulo declarou que as coisas passageiras da lei, como a guarda do sábado semanal, deveriam ser abandonadas pelos cristãos?

Base bíblica:

“Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós cravando-a na cruz. Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados. Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.”

11. Seria a guarda do sábado um preceito moral considerando que em razão da desobediência Deus, ele anuncia a fim de todos os sábados prescritos na lei, inclusive o sábado semanal?

Base bíblica:

Oséias 2.11: “E farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, e os seus sábados, e todas as suas festividades.”

2. Seria a guarda do sábado um preceito moral considerando que Deus poria em esquecimento a guarda desse dia – o sábado semanal – em decorrência da desobediência do povo de Israel? Um preceito moral poderia ser posto em esquecimento?

Base bíblica:

Lamentações 2.6: “E arrancou o seu tabernáculo com violência, como se fosse a de uma horta; destruiu o lugar da sua congregação; o SENHOR, em Sião, pôs em esquecimento a festa solene e o sábado…”


PRECEITOS MORAIS NA LEI CERIMONIAL

A denominada Lei Cerimonial contém preceitos morais: Poderiam os adventistas negar isso? Os exemplos abaixo mostram o acerto de tal declaração.

Ex 22.21-22: “O estrangeiro não afligirás, nem o oprimirás; pois estrangeiros fostes na terra do Egito. A nenhuma viúva nem órfão afligireis.”

Seria um preceito cerimonial por constar do livro da lei escrito por Moisés e colocado ao lado da arca?

Ex 23.2: Não seguirás a multidão para fazeres o mal; nem numa demanda falarás, tomando parte com a maioria para torcer o direito.”

Seria um preceito cerimonial por constar do livro da lei escrito por Moisés e colocado ao lado da arca?

Lv 19.16,18: “Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo; não te porás contra o sangue do teu próximo. Eu sou o SENHOR. ”Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.”

Seria um preceito cerimonial por constar do livro da lei escrito por Moisés e colocado ao lado da arca?

Dt 16.19: “Não torcerás o juízo, não farás acepção de pessoas, nem receberás peitas, porquanto a peita cega os olhos dos sábios, e perverte as palavras dos justos.”
Seria um preceito cerimonial por constar do livro da lei escrito por Moisés e colocado ao lado da arca?

Dt 18.13: “Perfeito serás, como o SENHOR teu Deus.” 

Seria um preceito cerimonial por constar do livro da lei escrito por Moisés e colocado ao lado da arca?


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

6 Comentários

Comentários 1 - 6 de 6Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. PROF. PAULO, BOM DIA ! NA SUA OPINIÃO, OU DE ACORDO COM SEUS CONHECIMENTOS, A MORTE DITA EM APOCALIPSE 20.14, TRATA-SE DE UM ESPÍRITO OU O QUE, UMA VEZ QUE ELA E O INFERNO FORAM LANÇADOS NO LAGO DE FOGO ? GRATO 

  2.   PROF. PAULO,  O BODE EMISSÁRIO, A QUEM O QUE REPRESENTA: A CRISTO, SATANÁS OU NENHUM DOS DOIS ? 

  3. Até eu que sou leigo,isto,é,não sou erudito, digo que, quando O Senhor Jesus estava dizendo em Mat. cap.12.: pela lei moral não se devia absolutamente colher nada no Sábado, nem semear e nem colher, Jesus sabia disso.Notamos AI A TRANSITORIEDADE do SHABATON.

  4. azenilton ,vai estudar a bíblia, que história é essa de abominação, texto fora do contexto vira pretexto, quem foi que escreveu os 10 mandamentos foste tu, ou foi Deus  exo 31.18.

    o que ele abomina é a falsidade no coração, a mentira., os maus pensamentos e desejos

    1. Pedro, seu comentario é excelente! os adventistas se gabam de cumprir o decalogo, mas será que no coração eles não tem a falsidade, a mentira, os maus pensamentos?
      Jesus disse que, quem desejar uma mulher, já cometeu adulterio. Será que os amigos adventistas estão livres de desejar…

  5. Esse tal Azenilto é um velho herético que defende as heresias da seita de Ellen White com unhas e dentes! Esse velhote é cegado pelo diabo!

Comentários 1 - 6 de 6Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement