Esqueceu a senha?

Se a graça é resistível, a salvação é por obras?

por Artigo compilado - ter set 16, 6:11 pm

mendigo

Um argumento dado pelos calvinistas que é comumente usado na tentativa de depor contra a graça resistível é que, se a graça não é irresistível, a salvação seria por obras e o homem seria o seu próprio salvador. Eles costumam frequentemente dizer que, se a graça é oferecida ao homem e este pode recusá-la, o homem se torna o causador da própria salvação, e não Deus. Este argumento por si só já começa estranho, pois, se a lógica funciona assim mesmo, então até no calvinismo Deus não seria o salvador.

Se o fato de o homem aceitar a graça no arminianismo torna o homem salvador de si mesmo, então por que o fato de o homem aceitar a graça no calvinismo não torna o homem salvador de si mesmo? Ambos ensinam que a graça é derramada, a diferença é que um crê que essa graça é resistível e o outro crê que essa graça é irresistível. Se o fato de o homem aceitar a graça no calvinismo faz de Deus o salvador, por que o fato de o homem aceitar a graça no arminianismo não faz de Deus o salvador?

O calvinista poderá afirmar que é porque no arminianismo o homem pode rejeitar a graça. Isso é verdade. Porém, o que isso muda? A coisa continua igual para os que aceitam. Os que aceitam irresistivelmente são salvos no calvinismo, e os que aceitam persuasivamente são salvos no arminianismo. Nada muda para os que aceitam, exceto o fato de que um aceitou pelo uso da força, enquanto o outro aceitou por persuasão. Como diz Olson, “um presente que é rejeitado ainda é um presente, se for livremente recebido. Um presente recebido livremente não é um presente menor do que um recebido sob coerção”[1].

Fazendo uma analogia, é como se um pai comprasse um presente para dois filhos. Para um deles, chamado João, ele compra o presente e força que aceite o presente. Para outro deles, chamado Jacob, ele compra o presente e o oferece, deixando escolhê-lo livremente. Somente um obtuso diria que no primeiro caso o presenteador é o pai, e que no segundo caso o filho se presenteou a si mesmo. Da mesma forma, ninguém em sã consciência diria que no primeiro caso o presente foi um presente, enquanto no segundo caso o presente deixou de ser um presente e se tornou um mérito.

Em ambos os casos, a graça continua sendo graça. Em ambos os casos, o salvador permanece sendo Deus. A aceitação por parte do homem, seja ela resistível ou irresistível, forçada ou não-forçada, não faz do homem salvador de si mesmo, o que confronta a lógica e o bom senso.  Por incrível que pareça, esse argumento inútil dos calvinistas tem sido usado contra os arminianos desde a época de Armínio. E Armínio também usou analogias para mostrar o defeito das acusações calvinistas. Ele disse:

“Um homem rico concede, a um pobre e faminto mendigo, esmolas com as quais ele será capaz de manter a sua família e a si mesmo. O fato de o mendigo estender as suas mãos para receber as esmolas faz com que elas deixem de ser um presente genuíno? Pode-se dizer com propriedade que ‘as esmolas dependem parcialmente da liberalidade do Doador e parcialmente da liberdade do favorecido’, embora este último não fosse receber as esmolas a menos que ele as tivesse recebido estendendo sua mão?”[2]

Comentando este trecho, Olson diz:

“Usando-se a analogia de Armínio do rico e do mendigo, seria normal dizer que a aceitação, por parte do mendigo, do dinheiro dado pelo homem rico foi um fator decisivo na sobrevivência de sua família? Quem diria tal coisa? Toda a atenção neste caso se concentraria no benfeitor e não no pobre receptor da benfeitoria”[3]

Norman Geisler também emprega analogia semelhante para mostrar a irracionalidade da acusação calvinista. Ele declara:

“O ato de receber um dom pela fé não é mais meritório do que é o de um mendigo ao receber uma ajuda. E uma lógica estranha a que assevera que o recebedor ganha crédito por receber uma dádiva, e não o doador! O ato de fé em receber o dom incondicional de Deus não granjeia nenhum mérito para o recebedor. Ao contrário, todo louvor e glória vão para o Doador de ‘toda boa dádiva e todo dom perfeito’ (Tg 1.17)”[4]

Assim como seria estúpido dizer que um mendigo que estende as mãos para receber uma esmola dada por graça a recebeu “por suas boas obras” ou que causou a própria doação, assim também é ridículo alegar que o ato de aceitar a graça é uma “boa obra” que “causa a salvação” e a torna “centrada no homem”. Como diz Olson, “o verdadeiro arminianismo dá a Deus toda a glória e aos humanos, nenhuma; a salvação é inteiramente de Deus mesmo se as pessoas devam escolher livremente não resistir a ela. Mas mesmo essa habilidade de não resistir à graça salvífica é de Deus; ela não faz parte do equipamento natural da humanidade”[5].

Ele também acrescenta que “a decisão da fé não é causa meritória ou eficaz da salvação; a única causa é Cristo e sua morte. A decisão da fé é apenas a causa instrumental de salvação (como o ato de descontar um cheque), ao fazer isso, o dom é ativado. Mas isso não acrescenta nada ao dom ou o torna menos gratuito. Os arminianos acreditam que as pessoas são salvas apenas pela morte de Cristo e não por suas próprias decisões ou ações”[6].

O próprio Olson também empregou diversas analogias para simplificar o entendimento da salvação no prisma arminiano. Uma delas é a de um homem caído em um poço. Ele diz:

“Uma ilustração seria um homem caindo inconsciente em um poço. Deus chama o homem e lhe oferece ajuda. O homem recobra a consciência. Deus despeja água no poço e encoraja o homem ferido a flutuar na água e sair do poço. Tudo o que o homem tem a fazer é deixar que a água o eleve não lutando contra ela ou não se prendendo ao fundo do poço. Essa é uma analogia (embora rudimentar e simples) da graça preveniente. Como pode uma pessoa resgatada nestes moldes vangloriar-se desse resgate? Tudo o que ela fez foi relaxar e deixar que a água (a graça) a salvasse”[7]

Outra analogia que ele faz é a de um depósito de um cheque:

“Imagine um aluno que esteja passando fome e prestes a ser despejado de seu dormitório por falta de dinheiro. Um professor bondoso dá a esse aluno um cheque de R$ 1.000,00 – o suficiente para que ele pague seu aluguel e coloque uma boa quantidade de comida em sua dispensa. Imagine, pensando mais além, que o aluno que foi resgatado leve o cheque até o banco, assine e deposite o cheque em sua conta (o que faz com que seu extrato fique com R$ 1.000,00 positivos). Imagine também que o aluno então começa a andar pelo campus se gabando de que ele mereceu receber a quantia de R$ 1.000,00. Qual seria a resposta das pessoas caso soubessem a verdade acerca da situação? Eles acusariam o aluno de ser miserável e ingrato. Mas suponha que o aluno diga: ‘Mas o fato de eu endossar o cheque e o depositar em minha conta é o fator decisivo para que eu conseguisse o dinheiro, então eu fiz uma boa obra que mereceu, ao menos, parte do dinheiro, não mereci?’ Ele seria ridicularizado e possivelmente ainda seria ignorado pelos demais por ser uma pessoa insensata”[8]

Todas essas analogias, e muitas outras que poderíamos passar aqui, mostram o quão ridícula é a acusação calvinista de que no arminianismo a salvação é centrada no homem, por obras ou pelo mérito humano. Em todas elas, o Doador da graça permanece sendo Deus, e o fator e a causa da salvação permanece sendo a graça divina. O homem se vangloriar por aceitar a graça é algo tão obtuso quanto um mendigo se orgulhar de ter recebido uma esmola, como se o fato de ele ter estendido as mãos para recebê-la implicasse em algum mérito pessoal pelo qual ele possa se ostentar.

[1] OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades. Editora Reflexão: 2013, p. 210.

[2] ARMINIUS, “The Apology or Defence of James Arminius, D.D.”, Works, v. 2, p. 52.

[3] OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades. Editora Reflexão: 2013, p. 215.

[4] GEISLER, Norman. Eleitos, mas Livres: uma perspectiva equilibrada entre a eleição divina e o livre-arbítrio. Editora Vida: 2001, p. 225.

[5] OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades. Editora Reflexão: 2013, p. 202.

[6] OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades. Editora Reflexão: 2013, p. 290.

[7] OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades. Editora Reflexão: 2013, p. 206.

[8] OLSON, Roger. Contra o Calvinismo. Editora Reflexão: 2013, p. 255-256.

Extraído do livro “Calvinismo X Arminianismo: quem está com a razão?”, cedido pela comunidade de arminianos do Facebook


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

10 Comentários

Comentários 1 - 10 de 10Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Achei a palavra “demente” muito pesada.

    1. Concordamos, Natália e trocamos por uma palavra mais adequada.

  2. Natália, no artigo não consta a palavra “demente”. você não está sendo sincera.

    1. Trocamos a palavra, JCP… 

    2. perdão Natália.

  3. Eu percebo que o calvinismo gosta de confundir as pessoas, e a Bíblia nunca confunde pois nosso Deus não é deus de confusão. O Evangelho é muito claro em relação ao papel do homem que é o de abrir o coração e aceitar à Cristo, sem força, pois Jesus não quer escravos, quer amigos.

  4. A pergunta é: o que faz alguém decidir pela salvação e outro alguém decidir pela não salvação?

  5. resp. ao Marcos ; pelo mesmo motivo que alguém opta pelo mau, fazendo latrocinio ou corrupção politica. tenha em mente que Jesus é para quem quer ! quem não quer, fica sem ele. João 3:16

    1. Gostei da sua resposta jcp.

  6. Gostei da sua resposta jcp.

Comentários 1 - 10 de 10Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement