Esqueceu a senha?

TJs: A respeito do Senhor Jesus

por Artigo compilado - dom mar 09, 12:05 am

tj-sentinela

No nosso livro intitulado Análise da Cristologia das Testemunhas de Jeová consideramos detalhadamente as distorções cristológicas praticadas pelas TJ. Todavia, devido a exigüidade do espaço que aqui reservamos para tratarmos deste assunto, por agora  pretendemos ser mais sucintos.

A respeito da Pessoa de Jesus, as TJ fazem as seguintes afirmações:

a)   Ele é a primeira, bem como a maior, de todas as criaturas de Deus;

b)  Ele é o maior personagem do Universo, abaixo de Deus;

c)   Ele é o arcanjo Miguel, o primeiro anjo que Deus criou;

d)   Depois que Deus o fez, Ele ajudou Deus a criar todas as outras coisas;

e)   Ele não é Deus (com “D” maiúsculo), mas sim, um deus (com “d” minúsculo);

f)    É pecado adorá-lo, e, por conseguinte, dirigir-lhe orações. Podemos tão-somente homenageá-lo;

g)   Ele não morreu numa cruz, mas sim, numa estaca;

h)   O corpo dEle está morto até hoje e assim permanecerá para sempre;

i)     O corpo dEle está escondido onde só Deus sabe;

j)     Ele já veio em 1.914;

k)   Jesus de Nazaré morreu, e, portanto, não existe mais;

l)  Ele só é mediador dos 144000;

Os equívocos teológicos acima registrados, são refutados abaixo na mesma ordem.

a) Ele é a primeira, bem como a maior, de todas as criaturas de Deus

Sendo que “sem Ele nada do que foi feito se fez” (Jo 1.3), se Jesus fosse criatura então Ele teria criado a si mesmo, o que seria um contra senso. Logo, o prólogo joanino sustenta que Jesus existe desde a eternidade, não sendo, portanto, criatura.

b) Ele é o maior personagem do Universo, abaixo de Deus

Embora o homem Jesus seja menor do que os anjos (Hb 2.9) e portanto menor do que Deus (Jo 14.28b), o lado Divino de Jesus é igual ao Pai (Jo 5.18; 14.9; Fp 2.6).

c) Ele é o arcanjo Miguel, o primeiro anjo que Deus criou

Miguel é “um dos primeiros príncipes” (Dn 10.13), logo, há outros iguais a ele e, conseqüentemente, ele não é Jesus. Jesus é “o” e não “um dos.” Aliás, até as TJ que não crêem que Jesus seja igual ao Pai, não poderiam crer, coerentemente, que Miguel e Jesus sejam uma só pessoa, já que elas dizem que “Ele é o segundo maior personagem do Universo.” (Raciocínios à Base das Escrituras, página 210). Sim, o maior abaixo de Deus não pode ser um dos maiores.

d) Depois que Deus o fez, Ele ajudou Deus a criar todas as outras coisas

Segundo Is 44.24b,especialmente à luz do original, ou através de Versões como a Versão Revisada, a Edição Atualizada e outras que traduzam bem este versículo, Deus criou o Universo sozinho, sem a ajuda de quem quer que seja. Por conseguinte, Jesus atuou com o Pai na criação do mundo, não como uma criatura à parte da Divindade, mas como membro da Deidade (Jo 1.3,10; Cl 1.14-17).

e) Ele não é Deus (com “D” maiúsculo), mas sim, um deus (com “d” minúsculo);

Jesus disse que Ele é digno de ser tão honrado quanto o Pai (Jo 5.23). Estão as TJ obedecendo este mandamento, quando tentam diminuir o Senhor Jesus, dando-lhe o título de “um deus”?

f) É pecado adorá-lo, e, por conseguinte, dirigir-lhe orações. Podemos tão-somente homenageá-lo

Bastaria citarmos Jo 5.23 novamente, porém, acrescentamos que os cristãos primitivos invocavam a Jesus (At 7.59; 9.14; 1 Co 1.2; Ap 22.20).

g) Ele não morreu numa cruz, mas sim, numa estaca

No livro Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, página 171, as TJ exibem uma ilustração da morte de Jesus, com as mãos unidas por um só prego que as prende à estaca. Ora, basta isso para notarmos que as TJ não estão qualificadas para nos descreverem a morte de Jesus, considerando que a Bíblia nos diz que foram usados dois pregos (Jo 20.25). Cadê o outro prego? Certo TJ se defendeu dizendo que a pluralidade de pregos se explica porque não só suas mãos, mas também seus pés, foram cravados no madeiro. Porém, Jo 20. 25 nos fala de sinais dos pregos nas Suas mãos.

h) O corpo dEle está morto até hoje e assim permanecerá para sempre

Desde os seus primórdios que as TJ negam a ressurreição corporal de Jesus. Charles Taze Russel, o fundador dessa “religião” registrou na obra Estudos nas Escrituras, volume V, página 454 que “… o homem Jesus está morto, morto para sempre”.Ainda referindo-se ao corpo de Cristo, Russel disse o seguinte: “… se foi dissolvido em gases ou se continua preservado em algum lugar… ninguém sabe.” (Ibidem, Volume II, página 129).

Vimos acima que Russel disse que ninguém sabia o que fora feito do corpo de Jesus. Mas, atualmente os líderes das TJ já “desvendaram” o mistério. No livro Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, páginas 143-145, parágrafos 6-10, eles asseveram com argumentos diversos, inclusive citando várias referências bíblicas, que Deus removeu do sepulcro o corpo de Jesus, e o escondeu, como no passado fizera com o corpo de Moisés. Reza no parágrafo 8 o seguinte: “Então, que aconteceu ao corpo carnal de Jesus? Não encontraram os discípulos o seu túmulo vazio? Sim, porque Deus removeu o corpo de Jesus. Por que fez Deus Isso? Cumpriu-se o que havia sido escrito na Bíblia. (Salmo 16:10; At 2:31). Por isso Jeová achou bom remover o corpo de Jesus, assim como fizera antes com o corpo de Moisés (Deuteronômio 34:5,6)…”

A crença errônea de que Jesus não ressuscitou no mesmo corpo, levou os líderes das TJ à seguinte conclusão: “… Jesus de Nazaré, não mais existe. Foi morto em 33 *EC” (Despertai!  22/12/1984, página 20); […] “o homem Jesus está morto, morto para sempre” (RUSSELL, Charles Taze. Estudo nas Escrituras. EUA. Vol. V, página 454, citado por Homero Duncan em As Doutrinas das Testemunhas de Jeová… Queluz/Portugal: Núcleo de Distribuição de Literatura Cristã, página 45).

A maior prova bíblica de que Jesus de Nazaré está vivo, é o fato de o encontrarmos falando a Paulo: “Eu sou Jesus Nazareno a quem tu persegues” (At 22.8). Ora, defunto não fala.

i) O corpo dEle está escondido onde só Deus sabe

O que dissemos sobre o item “h”, pode ser dito aqui também.

j) Ele já veio em 1.914

É promessa bíblica de que um dia Jesus voltará (Jo 14.1-3; Mt 24.30; 1 Ts 4.13-18; Hb 9.28 etc.). Os cristãos aguardam, pois, a vinda de Jesus. As TJ, porém, crêem que Jesus já veio em 1.914. Uma das provas disso está à página 183 do livro delas intitulado Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, parágrafo 23, que diz: “Sim, desde que JESUS VOLTOU e se sentou no seu trono celestial…”(grifo nosso).

As TJ não crêem que Jesus tenha vindo literalmente à Terra, em 1.914. Elas entendem que essa “volta” é no sentido que Ele dirige, de forma especial, Sua atenção à Terra. Queira ver Testemunhas de Jeová – Proclamadores do Reino de Deus, página 144, editado pelas TJ. Elas chamam a isso também de entronização de Cristo. É que elas crêem que na data acima Jesus foi entronizado lá no Céu, qual Rei do planeta Terra. A essa suposta entronização de Cristo, elas chamam de “volta de Jesus”. À página 147 de Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, parágrafos 16 e 17, elas dizem que “a evidência bíblica mostra que no ano de 1.914… o tempo de Deus chegou para Cristo voltar e começar a dominar…” E acrescentam que essa “volta de Cristo é invisível.”

O vocábulo original traduzido em nossas Bíblias por “vinda”, é “parousia” que, de acordo com o contexto pode significar “vinda” ou “presença”. “Parousia” está vertido por “presença” com muita freqüência na TNM (queira ver Mt 24.27, na TNM). É importante sabermos desses fatos, para entendermos o que as TJ estão querendo dizer quando afirmam que Jesus está presente desde 1.914. Quase que invariavelmente, quando os líderes das TJ dizem que Jesus está presente, estão se referindo ao suposto emposse de Cristo, datado de 1.914.

Atualmente as TJ proclamam que Cristo veio (ou está presente) desde 1.914, mas antigamente diziam que o tal evento tinha ocorrido em 1.874. Senão, vamos à prova:

 “O nosso Senhor, o Rei nomeado, já está presente, desde outubro de 1.874…” (Estudos nas Escrituras, Volume IV, página 621).

O fato de os chefes das TJ serem tão volúveis quanto ao que eles chamam de entronização, presença, vinda, volta, e emposse de Jesus, é um bom motivo para não darmos crédito a eles.

Embora as TJ proclamem aos quatro ventos que Jesus já veio em 1914, elas dizem ao mesmo tempo, como se pode ver em 13.1, que Jesus há de vir na Sua glória. Vale ressaltar que essa vinda futura, da qual as TJ falam, também não é literal, mas tão simbólica quanto à que teria ocorrido em 1914. Refere-se a uma outra fase do suposto poder régio que teria sido conferido a Cristo em 1914.

Como sabemos, a data atual apresentada pelas TJ como a da volta de Cristo é o ano 1.914. Isso é ridículo. Não aconteceu nada do que as TJ dizem, naquele ano. Em 1.914 só ocorreram três coisas marcantes:

1ª) O início da Primeira Guerra Mundial.

2ª) A frustração das TJ, pois Russell havia previsto que então se concretizaria o Armagedom (Estudos nas Escrituras, Volume II, página 101: “… a ‘batalha do grande dia de Deus Todo-Poderoso’ (Ap 16.14), que terminará em 1.914 A.D. com a destruição dos atuais reinos da terra, já começou,” (ênfase acrescentada). Em a revista A Sentinela (em inglês) de março de 1.880, página 2, as TJ registraram o seguinte: “Os tempos dos Gentios se estendem até 1.914 e o reino celestial não terá pleno domínio até aquela data” (citada em Seja Deus Verdadeiro, página 249, edição de 1.955).

3ª) A necessidade de se criar uma nova data para o Armagedom. Como o atual sistema corrupto não foi destruído em 1.914, como previra Russell, então pouco tempo depois os líderes das TJ fizeram os seguintes ajustes: A “vinda” de Jesus, que segundo eles havia ocorrido em 1.874, passou a ser um evento datado de 1.914. E o Armagedom, até então previsto para 1.914, passou a ser previsto para outras datas: 1.918, 1.920, 1.925, 1.941, 1.975 e 2.000. Isto significa que a última previsão falhou há pouco tempo.

Previram mesmo as TJ o Armagedom para no máximo a tardar até dezembro do ano 2.000? Sim, pois na revista A Sentinela de 01/01/1.989, página 12, § 8, lemos: “…O apóstolo Paulo servia de ponta de lança na atividade missionária cristã. Ele também lançava o alicerce para uma obra que seria terminada em nosso século 20”.

Como o leitor acaba de ver, os líderes das TJ publicaram em 1.989 que a obra de evangelização da qual o apóstolo Paulo servia de ponta de lança, e da qual também lançava o alicerce, seria terminada no século 20. Isto prova que eles ensinaram que no início do século 21, já não pregariam mais o Evangelho, por já estarem na Terra Paradisíaca. E, como sabemos, a Terra não será paraíso antes do Armagedom.

As TJ sabem que seus líderes pregaram que o Armagedom ocorreria no século 20? Pelo menos a maioria não sabe, segundo nos consta. O porquê disso é que depois que eles fizeram essa previsão, eles mudaram de opinião. Contudo, não se retrataram publicamente, mas apenas pararam de tocar neste assunto. E, deste modo, a última previsão caiu no esquecimento.

Talvez haja entre as TJ alguém que saiba que seus guias previram em 1.989 que o Armagedom teria lugar dentro do século 20; mas, se há, são tão poucos que ainda não encontramos sequer um.

As TJ pregam que quando da entronização de Cristo em 4/5 de outubro de 1.914, cumpriu-se Ap 12.7-12, quando então o diabo e os demônios, ao serem expulsos do Céu e lançados na Terra, instigaram as nações à briga, donde eclodiu a Primeira Guerra Mundial. Mas esta seqüência colide com o fato de tal guerra ter começado em 28 de julho, mais de dois meses antes da suposta entronização de Cristo e a subseqüente expulsão de Satanás e seus anjos que, por sua vez, causaria o grande conflito. O leitor pode conferir o que aqui denunciamos, consultando qualquer enciclopédia e depois comparar com o que os líderes das TJ registraram nas seguintes obras: Raciocínios à Base das Escrituras, página 113, edição de 1.985; e Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, páginas 20-22.

k)Jesus de Nazaré morreu, e, portanto, não existe mais

Já consideramos essa questão nos itens “h” e “i”

l) Ele só é mediador dos 144000

Como já vimos no capítulo 1 (1. 3), em  A Sentinela de 15/09/1979, os guias das TJ perguntam: “Será que Jesus é ‘mediador’ só dos cristãos ungidos?”. E em seguida respondem:“De modo que, em estrito sentido bíblico, Jesus é o ‘mediador’ apenas dos cristãos ungidos”, isto é, dos 144.000. Ora, quem não têm Cristo como seu mediador, é um  perdido, visto que ninguém vai ao Pai senão por Jesus (Jo 14.6). Para que o dito fique pelo não dito, pelo menos pro forma as TJ oram a Jeová em nome de Jesus. Ora, se devemos orar em nome de Jesus, então Ele é nosso mediador. Por outro lado, se Jesus não é nosso mediador, então não há porque orar ao Pai em  nome do Filho.

Extraído do livro “Testemunhas de Jeová: Que Seita é Essa?”, PASTOR JOEL SANTANA


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement