Esqueceu a senha?

TJs: “Jesus estava com Deus e por isso não é Deus”

por Prof. Paulo Cristiano da Silva - sex fev 13, 10:16 am

tj551a28509665b2cdf00a70f918d27081

Argumentos das Testemunhas de Jeová:

“Ademais, este versículo da Bíblia diz que “a Palavra” estava “com” Deus. É razoável concluir que isto significa que ele não é esse mesmo Deus” ( A Sentinela 01/11/1991 pág. 23)

“Mas não é Jesus chamado de deus na Bíblia’ ? poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo Satanás também é chamado de deus. (2 Coríntios 4:4)” ( Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra pág. 40 )

São vários os argumentos levantados para contradizer o prólogo de João que reza literalmente que “o verbo (Jesus) era Deus”. Vejamos:

1) Dizem que algumas traduções inclusive a deles traduzem “deus” com letra minúscula e não “Deus” com maiúscula, portanto isso significa que Jesus não é o Deus “Todo-poderoso”.

2) Dizem que outros seres são similarmente chamados na Bíblia de “deus”. São chamados de deuses poderosos os juízes, anjos, Satanás e finalmente Jesus.

3) Dizem que Jesus é chamado de “um deus” portanto diferente de Jeová que é o verdadeiro Deus.

Dizem que no original grego “Theós”, Deus em português, referindo-se ao Pai, vem precedido do artigo definido “o” enquanto que Theós referindo-se a Jesus vem sem o artigo, portanto se sentem justificados em acrescentarem o artigo indefinido “um” em relação a Jesus. Com isso insinuam que Jesus não é Deus mas um ser meio divino, que apenas possui as qualidades deste.

4) Dizem que Alguém que está “com” outra pessoa não pode ao mesmo tempo ser aquela outra pessoa”.

“ Portanto, o texto não diz que a palavra (Jesus) era o mesmo que o Deus com quem estava, mas, antes, que o verbo (a palavra) era semelhante a um deus, era divino, era um deus.” ( Raciocínios à Base das Escrituras pág. 213 )

COMO REFUTAR

Antigamente as TJs tinham muita dificuldade em empurrar nas pessoas a idéia herética de que Jesus não era Deus pois a Bíblia que elas usavam: a versão “King James” em inglês, traduzia clara e corretamente que “o verbo era Deus” Mas esse problema acabou quando fabricaram a sua própria versão da Bíblia onde contrabandeou para dentro dela todas as idéias heréticas do seu fundador e primeiro presidente Charles T. Russell. É claro que João 1:1 tinha que ser reinterpretado ao gosto russelita, pois tal versículo complicava e muito a teologia da seita,  então resolveram tirar Jesus da posição de Deus verdadeiro e reduzi-lo a um mero deuzinho, subordinado a Javé e igual a Satanás. Tentando arrumar isto elas comentam :

 ” Em muitas traduções esta expressão reza simplesmente: “O Verbo [a palavra] era Deus” e é usada para apoiar a doutrina da Trindade. Não surpreenda que os trinitaristas não gostem da versão apresentada na Tradução do Novo Mundo.” e acabam  entregando-se quando dizem: ” Mas João 1:1 não foi falsificado a fim de provar que Jesus não é o Deus Todo-poderoso. As Testemunhas de Jeová, entre muitos outros, já objetavam a usar “deus” com letra maiúscula muito antes de surgir a Tradução do Novo Mundo, que se empenha em traduzir com exatidão a língua original.” ( A Sentinela 01/03/1991 pág. 28 )     

QUÃO CONFIÁVEIS SÃO ESSAS  VERSÕES?

As traduções que as Tjs alegam ter similaridade com a delas são na maioria traduções de teólogos liberais que nem ao menos crê em toda a Bíblia, de membros de seitas que  negavam a divindade de Cristo ou traduções delas mesmas. Das milhares de línguas e dialetos em que a Bíblia está traduzida atualmente a STV conseguiu catalogar (na brochura Deve-se crer na Trindade ?) apenas nove para tentar inculcar na mente dos incautos de que sua tradução é a mais correta. Ainda na mesma página da revista citada acima apresentam mais cinco traduções espúrias como a deles. Essas traduções aparecem em parte em A Sentinela 01/06/1988 página 17 e na brochura Deve-se Crer na Trindade ? página 27.

” De modo similar, cinco tradutores da Bíblia, alemães, usam a expressão “um deus” naquele versículo. Pelo menos 13 outros usaram expressões tais como “da espécie divina” ou “da sorte semelhante a deus”  Essas traduções concordam com outros trechos da Bíblia para mostrar que Jesus no céu, é sim um deus, no sentido de ser divino”

EM QUE SE BASEIA A TNM?

No livro, “Raciocínios à Base das Escrituras” na página 394 asseguram que para a tradução do N.T, chamado na TNM  de Escrituras Gregas Cristãs, usou-se o texto dos eruditos ingleses, Westcort e Hort, para basearem sua tradução e também no livro ” Toda Escritura é Inspirada por Deus e proveitosa ” na página 310 acrescentam ainda que usaram este texto para assegurarem “a máxima exatidão possível“. Acontece porém, que o texto grego de Westcort e Hort não concorda com essa pernicisa tradução feita pelas TJs. Veja a opinião do próprio Westcort sobre João 1:1.

” O predicado (Deus) encontra-se na posição inicial enfaticamente, como em João 4:24. É necessariamente sem o artigo…Nenhuma idéia de inferioridade de natureza é sugerida por essa forma de expressão, que simplesmente afirma a verdadeira deidade da palavra…na terceira cláusula declara-se que ‘a palavra’ é ‘Deus’, e assim incluida na unidade da divindade”  

Veja o leitor que quando o texto grego do qual se basearam para traduzir João 1:1 não concordava com suas crenças, eles imediatamente abandonaram-no e saíram a procura de subtraduções que concordassem com o pensamento herético deles. Neste caso, Westcort e Hort, já não assegurava tanta exatidão!

Vamos analisar agora algumas versões citadas na brochura “Deve-se Crer na Trindade ?” página 27.

a) ” 1808: “e a palavra era um deus” The New Testament in an Improved Version, Upon the Basis of Archbishop Newcom’es New Translation: with a Corrected Text.”

Esta versão foi feita por um unitarista. O Unitarismo é uma seita que nega veementemente a doutrina da Trindade e consequentemente a Divindade de Cristo. É suspeitadíssima sua erudição.

b) “1864: “e um deus era a palavra”. The Emphatic Diaglott, versão interlinear, de Benjamin Wilson.”

                Esta versão é largamente usada pela STV, entretanto elas escondem que Benjamin Wilson era Cristadelfiano. Essa seita também negava a divindade de Cristo. A propósito, em : “A Sentinela” de 01/11/1990 na pagina 6 sob o tópico “O Diabo das Escrituras” diz : ” Alguns contudo, negam a existência dum Satanás qual pessoa, preferindo dizer: “A natureza humana, com sua propensão ao pecado, é o diabo das escrituras.”*

Contudo no rodapé da referida página elas acusam os que professam tal doutrina taxando-os de seita: “Declaraçao oficial da crença do cristadelfianismo, uma das seitas da cristandade.”   

Querem colocar o cristadelfianismo como parte da cristandade ou seja tentar confundi-la com as igrejas evangélicas, protestantes e católicas sendo que eles é que usam fartamente as idéias dos cristadelfianos através da versão de Benjamin Wilson. Mas o pior de tudo é que neste tópico, elas tentam provar que Satanás é uma pessoa e não uma influência do mal, o pecado, ou uma força, ao passo que em suas publicações fazem ao contrário em relação ao Espírito Santo, chamando-O de “a força ativa de Jeová” (Isaías 5:20) dizem: “O Uso que a Bíblia faz de “espírito santo” indica que se trata duma força ativa controlada que Jeová Deus usa para realizar uma variedade de propósitos. Até certo ponto pode ser comparada com a eletricidade, uma força que pode ser adaptada para realizar grande variedade de operações.” e concluem: “Não, o espírito santo não é uma pessoa…” (Deve-se Crer na Trindade ? págs. 20 e 23). São os apologistas do Diabo!

c) “1935: “e a palavra era divina” The Bible –An American Translation, de J. M. P. Smith e E. J. Goodspeed.”

Esta foi feita por um teólogo liberal que nem ao menos cria em toda a Bíblia.

d) “1950: “e a palavra era [um] deus.” Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristãs.”

                Esta última foi fabricada pelas próprias Tjs, portanto totalmente corrompida e tendenciosa.

Das nove traduções exibidas na brochura, essas cinco são logo de cara, suspeitíssimas pelos vários motivos expostos acima. Ademais nenhum perito da língua grega apóia esta tradução deturpada e blasfema.

EXISTEM OUTROS DEUSES ?

Podemos dizer sem sobra de dúvidas que as Tjs são politeístas. Porquê ? Simplesmente por que a declaração clara das escrituras de que Jesus é plenamente Deus choca-se com as idéias deturpadas delas a respeito da identidade de Deus e da pessoa de Jesus Cristo, mas por não se verem complicadas em refutar satisfatoriamente a Trindade inventaram para si um outro sentido para o termo Deus quando aplicado a Jesus, criaram assim outros deuses e encontraram dessa maneira um lugar nesse panteão para o Filho de Deus. Na teologia das TJs as coisas funcionam mais ou menos assim: No topo da lista aparece Jeová como o Deus Todo-poderoso, mais em baixo se encontra Jesus se contentando em ser somente um deus menor, apenas poderoso, depois Dele encontram-se vários deuses igualmente poderosos como Satanás, anjos e humanos. Alegam que o termo “Poderoso” não se aplica só a Jeová, mas também a anjos e humanos. Perguntamos então: Onde a Bíblia aplica o termo “Poderoso” a anjos e homens ? Insistimos ainda. Onde encontraremos nas escrituras Deus Chamando anjos e homens de “deuses poderosos”? Veja que elas fazem isso baseando-se apenas em especulações, e isso para dar respaldo ao seu argumento de que o fato de Jesus ser chamado de Poderoso não o faz igual a Jeová, pois outros na Bíblia, segundo elas, são também chamados de poderosos, mesmo não havendo base para tal.

“Antes de vir à terra, Jesus era “um deus”…” Além disso, a designação “deus” tem ainda outro sentido. Os juízes em Israel eram chamados de “deuses”…”  ( Profecias de Isaías pág. 131)

As TJs tentam entender a Trindade pelo raciocínio humano, mas por esse meio ninguém conseguirá entender a Deus, pois somente conseguiremos saber algo dele a partir da revelação que Ele faz de si mesmo em sua palavra, e esta mesma palavra revelada diz que Jesus é Deus, mas como as TJs andam não por fé, mas pelo raciocínio humano, não conseguem entender a palavra, então inventam meios alternativos para tentarem se livrar de João 1:1 e explicar de outros modos sua divindade.

A declaração de que existem outros deuses além do verdadeiro Deus é falsa pois a Bíblia é específica e o mandamento é claríssimo quando diz:

“Não deves ter quaisquer outros deuses em oposição a minha pessoa” Êxodo 20:3

“Antes de mim, não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum.” Isaías 43:10

” Acaso existe outro Deus além de mim ? Não, não há nenhuma rocha.” Isaías 44:8

Segundo os versículos acima a idéia de que existem outros deuses é herética, há somente um único Deus, e além dele não há outro. Os demais são deuses falsos, são falsificações do verdadeiro Deus como Satanás sempre quis ser e induziu os nossos primeiros pais a serem também Isaías 14:14 Gênesis 3:5. A própria STV declara que: “Existe apenas um Deus todo-poderoso, embora existam muitos deuses de fabricação humana e falsos” ( 15/03/1988 pág. 6)

OS JUÍZES SÃO DEUSES ?

As TJs argumentam sua tese de que existem outros deuses, baseando-se no episódio de João 10:34,35 onde Jesus diz:

” Jesus respondeu-lhes: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses ?…Se ele chamou deuses…”

Será que Jesus estava acatando a idéia de que aqueles homens eram deuses Poderosos como afirmam as Tjs ? Não, não estava. Para começo de conversa a Bíblia proíbe seres humanos de se igualarem a Deus Isaías 31:3 Ezequiel 28:2. O contexto mais uma vez torna claro o assunto. Jesus se referiu ao Salmo 82:6, onde aparece a palavra “Elôhîm” que significa “deuses”. O Deus verdadeiro estava repreendendo os juízes por suas iniqüidades e não chamando-os de deuses no sentido literal desta palavra pois nos versos 7 e 8 diz: “Decerto morrereis como os homens; E caireis como qualquer um dos príncipes!” (TNM)     

Estes eram chamados de deuses mas apenas como zombaria, pois a eles tinham sido dada a missão de julgar em Israel no lugar de Jeová, sendo assim poderiam de algum modo serem chamados de deuses, mas apenas em sentido representativo, não em sentido qualitativo, pois não passavam de homens mortais e como tais morreriam; em outras palavras, eram deuses falsos e isto fica evidente no versículo primeiro deste Salmo quando diz : “Deus (Elohim) se põe de pé na assembléia do divino; julga no meio dos deuses (Elohim)”(TNM) temos aqui portanto dois “Elohins”, é lógico que um só é o “Eloim” verdadeiro e os outros falsos!. Então Jesus argumenta em João 10: 35,36 que se àqueles eram chamados representativamente de deuses, quanto mais Ele poderia ser chamado de Filho de Deus. Além disso a revista A Sentinela de 01/01/1992 página 4 insinua que o Diabo patrocina muitos tipos de deidades nos seguintes termos: “Satanás…promove até a adoração de deuses humanos, tais como governantes poderosos…” (grifo e sublinhado nosso). Sim, Jesus era o único que tinha qualitativamente a condição de ser chamado de “O Filho de Deus” e também ser Deus.

ANJOS E SATANÁS SÃO DEUSES?

O argumento acima também cabe aqui, pois como já explicamos, há somente um Deus verdadeiro e o resto são deuses que os homens fizeram ou que eles mesmos se fizeram deuses por conta própria como Satanás. Dizem as TJs: “ ‘Mas não é Jesus chamado de deus na Bíblia’ ? poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo Satanás também é chamado de deus. (2 Coríntios 4:4)” ( Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra pág. 40 )

É fácil responder a esta objeção apenas perguntando se Satanás é um deus falso ou verdadeiro. Elas responderão que é um deus falso conforme aparece em A Sentinela 01/01/1992 página 4 “Jeová Deus tem o propósito de limpar seu nome de todo o vitupério que o falso deus Satanás tem lançado sobre ele.”(grifo nosso), neste caso estão igualando Jesus com Satanás e chamando-O indiretamente de falso. Mas se pelo contrário, Jesus for um deus verdadeiro, então elas possuem dois deuses verdadeiro ? Elas acabam caindo na própria armadilha que criaram. Estas perguntas as deixam em grande embaraço !

Certa vez fui abordado por um TJ que no decorrer da conversação citou-me o versículo acima e fez a seguinte pergunta : ” Você sabe qual a diferença entre o deus falso e o Deus verdadeiro ? ” Perguntei qual era.  Então ele passou a me explicar que o Deus verdadeiro aparece na Bíblia com letra maiúscula (Deus) e o deus falso com letra minúscula ( deus). Neste momento puxei a TNM de suas mãos e abri em João 1:1 onde deveria aparecer Deus com letra maiúscula aparece com minúscula “[um] deus”, rebaixando Jesus a um mero deuzinho, e perguntei-lhe se Jesus era um deus falso, pois na TNM estava com letra minúscula, o qual me respondeu que não era. Repliquei então : Se ele for o Deus verdadeiro  nesse caso vocês possuem dois Deuses verdadeiro e isto é politeísmo!?. O rapaz me olhou meio envergonhado e confuso e confessou que nunca havia pensado nisso apesar de ser TJ já há oito anos.

Argumentos como estes demonstra o perfil de pessoas que não entendem o que falam e falam somente o que lhes é indicado pela seita, pois se caso contrário, dispensassem algumas horas em estudo particular sem os olhos autoritativo do “Corpo Governante” iriam descobrir que os manuscritos bíblicos foram escritos originalmente com letras maiúsculas,as chamadas letras “unciais” e só depois no século X é que começaram a fazer cópias dos manuscritos em minúsculas chamadas de estilo cursivo. Portanto, quando aparecia a palavra “DEUS”  se era em estilo uncial era escrito com maiúscula se em estilo cursivo era com minúscula independente de quem se referisse, se ao Pai ou ao Filho, mas isto a STV não revela aos seus adeptos.

As TJs são privadas de exercerem senso crítico nos Salões do Reino aos quais freqüentam. Não podem de maneira alguma discordar de seus dirigentes, elas se ufanam de pesquisarem, aliás, esta palavra você ouvirá sempre que estiver dialogando com uma TJ, mas as “pesquisas” da qual falam, é apenas nas literaturas da própria seita como as revistas : “A Sentinela” e “Despertai” que a cúpula chamada de “Corpo Governante” permitem que leiam, as quais descaradamente chamam de “alimento”.

JESUS NÃO É DEUS?

As TJs argumentam que no original grego o termo “Theós” (Deus) referindo-se ao Pai, vem precedido do artigo definido “ton” (o) e referindo-se ao filho não vem precedido por artigo definido, então se acham no direito de acrescentarem o artigo indefinido (um) que não existia no grego original do N.T. Se justificam dizendo :

” O artigo definido (o) aparece na frente da primeira ocorrência de the.ós (Deus), mas não na frente da segunda ocorrência. A construção articular (quando o artigo aparece) do nome indica identidade, personalidade, ao passo que um nome predicativo no singular, sem artigo e anteposto ao verbo, ( com está construída a sentença no grego) indica qualidade de uma pessoa. Portanto o texto não diz que a palavra ( Jesus) era o mesmo que o Deus com quem estava, mas, antes, que o verbo (a palavra) era semelhante a um deus…” ( Raciocínios à Base das Escrituras pág. 213)

” A língua grega coiné tinha artigo definido (“o”), mas não tinha artigo indefinido (“um”). Assim, quando um substantivo predicativo não é precedido por artigo definido, pode ser indefinido, dependendo do contexto.”  ( Deve-se Crer na Trindade ? pág. 27 )

À primeira vista parece até convincente os argumentos exposados pela STV, haja vista fartas citações de obras teológicas e comentários de peritos na língua grega que são citados em suas publicações, entretanto quase sempre tirados fora do contexto ou distorcidos para se adaptarem à crença da seita de que Jesus é “um deus”.O texto original reza da seguinte maneira :

” En arché en ó lógos, kaí ó lógos en prós tón Theón, kaí Theós en ó lógos.”

TRADUÇÃO LITERAL

“Em princípio era o Verbo, e o Verbo estava com o Deus, e Deus era o verbo.”

Já há tempos que a STV vem modificando o texto de João 1:1 em suas Bíblias, compare por exemplo a tradução de 1967 (capa verde) onde o artigo indefinido (um) não aparecia : ” e a palavra era deus “. Já a versão de 1983 traz o artigo indefinido “e a palavra era [um] deus”. Nas revisões mais recentes elas mudaram novamente, conservando o artigo indefinido e acrescentando o artigo definido (o) antes de “Deus”, ” …estava com o Deus”

Estes são os malabarismos que a seita faz quando uma verdade bíblica entra em confronto com a teologia profana que elas professam.

JOÃO NÃO CRIA EM JESUS COMO DEUS ?

Será porque o apóstolo João não introduziu o artigo definido (o) em relação ao segundo “Theós” ? Será que mesmo a expressão “um deus” desabona a deidade absoluta (lê-se que Cristo é verdadeiramente Deus) ? Longe disso, João foi o apóstolo que mais identificou Jesus como Deus em seus escritos, portanto inspirado divinamente, foi capaz de escrever o que ele queria realmente escrever, pois fora guiado pelo Espírito Santo.

Qualquer estudante do grego bíblico percebe logo de início que se João tivesse acrescentado o artigo definido (o) antes do segundo “Theós”, certamente ele estava demonstrando que não acreditava na plena divindade de Cristo e com certeza não cria na Trindade. Porquê ? Por que ele estaria dizendo que o verbo (Jesus) era a mesma pessoa do primeiro “Theós” ou seja, que Jesus era o Pai. Mas ao diferenciar com um artigo definido o primeiro “Theós”, ele diferenciava as pessoas ao passo que igualava a natureza, e isto é trinitarismo clássico, é o que diz a doutrina da trindade, ou seja : Jesus é Deus mas não é o Pai, são iguais na natureza e substância mas diferentes quanto às pessoas. Isto prova que o argumento usado por elas de que : “Alguém que está “com” outra pessoa não pode ser ao mesmo tempo aquela outra pessoa” não procede. De duas, uma : Ou as TJs não entendem (ou não querem entender) a Trindade, ou fazem isso para confundir e enganar seus adeptos e os mais simples. De qualquer modo este argumento fraudulento eregido por elas não resiste à um estudo mais profundo sobre este versículo de João 1:1. Veja o que dizem alguns estudiosos:

“Se João 1:1 quisesse dizer “a palavra era um deus” o apóstolo teria usado no grego a palavra Theios, que significa “um deus”, um ser meio divino, em vez de Theós…” ( Dr. Julios R. Mantey)

 ” O verbete sobre Theós (Deus), usado no léxico Arnolt and Gin Grich Greek Lexicon, afirma  : “usado muitas vezes para indicar o verdadeiro Deus algumas vezes com o artigo, e de outras vezes sem o artigo”

Para serem coerentes teriam que traduzir também João 1:18; 3:2; 13:3 por “um Deus” pois ali não aparece o artigo definido, mas não fazem isto pois se não teriam que admitir também que Jeová não é “o Deus” verdadeiro e isto complicaria e muito os seus argumentos.

Ainda que Jesus seja chamado de “um deus”, mesmo assim não complicaria sua deidade pelo fato de que o Pai também é chamado de “um Deus” na TNM, confira em Êxodo 20:5 ; Daniel 2:28 e Naum 1:2 e “um Deus” até mesmo com letra minúscula. Considere este trecho abaixo extraída de uma de suas publicações

” Jeová descreve a si próprio como “um deus que exige devoção exclusiva”. ( Êxodo 20:5, nota, NM com Referências; Deuteronômio 4:24; 5:9; 6:15)” ( A Sentinela 01/07/1998 pág. 29)

Depois de longos debates (via on-line) com um senhor que dizia ter sido ancião das TJs, eu o desafiei a comentar esse prólogo de João, queria que ele refutasse como estava ali. Mas para minha surpresa ele não respondeu e isto já faz vários meses. Nunca achei uma TJ que explicasse satisfatoriamente sua fé antitinitrária em cima deste versículo.

João 1:1 é  modo mais belo da Bíblia dizer que Jesus é plenamente Deus.

Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus”.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement