Esqueceu a senha?

TJs negam a divindade de Jesus

por Artigo compilado - sex mar 20, 1:15 am

TJs brasileiras

Êxodo 3.14 – Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.

Os cristãos universalmente reconhecem que Jesus Cristo estava afirmando ser a Divindade quando ele refere‑se a si mesmo com EU SOU: “Disseram‑lhe, pois, os judeus: Ainda  não  tens cinqüenta anos, e viste Abraão? Respondeu‑lhes Jesus: Em verdade, em ver­dade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou” (João 8:57,58). Mesmo os inimigos de Jesus compreendiam o que ele estava dizendo. O versículo seguinte nos diz que quando eles ouviram isto, “então pegaram em pedras para lhe atirarem…” (v. 59). Os judeus incrédulos viam esta declaração de Jesus (de ser o EU SOU) como uma blasfêmia, um crime pelo qual eles queriam apedrejá‑lo até, a morte.

No entanto, as Testemunhas de Jeová ensinam que Jesus Cristo é, realmente, apenas o arcanjo Miguel e que Cristo nunca de­clarou ser Deus. Assim, para fazer com que as Escrituras estejam de acordo com sua doutrina, elas mudaram o texto de ambos os versículos em sua Bíblia. A Tradução da Torre de Vigia diz: “Isto é o que deve dizer aos filhos de Israel: MOSTRAREI SER enviou­ me a vós” (Êx.3:14), Tradução do Novo Mundo, e “Digo‑vos em toda a verdade: Antes de Abraão vir à existência, eu tenho sido” (João 8:58, Tradução do Novo Mundo). Assim, na Bíblia das Teste­munhas de Jeová, as palavras de Jesus aparecem sem nenhuma conexão com Êxodo 3:14.

Mas você não precisa ser um erudito em grego ou hebraico para provar que a Sociedade Torre de Vigia distorceu estes versículos. A própria Bíblia de estudo das Testemunhas de Jeová prova que Jesus estava declarando ser o EU SOU. Sua grande edição da Tra­dução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas com Referências, de 1984, tem uma nota de rodapé em Êxodo 3:14, admitindo que o hebraico seria traduzido em grego como “Ego eimi” ‑ “EU SOU”. E a sua Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas de 1985 (Kingdom Interlinear Translation of the Greek Scriptures) revela que as palavras de Jesus em João 8:58 são as mesmas: “égo eimi” (nota de rodapé), “eu sou” (texto inter­linear).

Êxodo 3.15 – Deus disse então mais uma vez a Moisés: Isto é o que deves dizer aos filhos de lsrael: Jeová,o Deus de vossos antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó enviou‑me a vós. Este é o meu nome por tempo indefinido e este é o meu memorial por geração após geração (Tradução do Novo Mundo).

As testemunhas de Jeová usam este versículo para argumentar que eles são os únicos adoradores verdadeiros de Deus, porque são os únicos que ainda chamam a Deus pelo seu nome ‑ Jeová. O versículo acima, eles insistem, é o mandamento de Deus para chamá‑lo pelo nome sagrado “por tempo indefinido”, ou para sempre. Aos olhos das testemunhas de Jeová, os cristãos que oram a “Deus” ou ao “Senhor” estão na verdade orando a um falso deus, Satanás; o verdadeiro Deus, Jeová, não ouve as orações a menos que elas sejam dirigidas a ele pelo seu nome. Dessa forma, as testemunhas de Jeová sempre usam o nome Jeová em suas orações. De fato, elas freqüentemente repetem o nome Jeová muitas vezes durante a oração, como se Deus pudesse se esquecer de que ele é aquele a quem as orações estão sendo dirigidas, ou como se as testemunhas de Jeová pudessem se esquecer a que Deus estão orando.

Embora suas próprias publicações admitam que “Jeová” é um anglicismo e um erro de tradução e não a correta pronúncia do tetragrama hebraico YHWH, elas insistem em usar a pronúncia “Jeová”, ao invés do nome que seria mais correto Yahweh. As testemunhas de Jeová nunca oram a “Yahweh”.

A comparação de Êxodo 3:15 com o versículo 14 mostra que o nome Yahweh, ou Jeová, significa: Deus é auto‑existente e eterno. Ele é muito mais que um nome, e conhecê‑lo envolve muito mais do que usar este nome. Jesus mostrou que mais do que um simples nome está envolvido quando disse: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-­vos de mim, vós que praticais a iniqüidade (Mat. 7:22,23, [grifo acrescentado]).

Convide uma testemunha de Jeová a examinar com você as orações de Jesus Cristo. Enfatize que Jesus nunca começou suas orações dizendo “Deus Jeová” como fazem as testemunhas de Jeová. Antes, Jesus começava suas orações dizendo, “Pai…” (Ver Mat. 11:25, 26:39‑42; Mar. 14:36; Luc. 10:21, 22:42, 23:34‑46; João 11:41, 12:27,28, 17:1‑26.) E quando ensinava seus discípulos a orar, Jesus os instruiu a orar dizendo: “Pai nosso…” (Mat. 6:9; Luc. 11:2). Os cristãos, então, devem ter um relacionamento íntimo com Deus na qualidade de seus filhos que clamam a ele “Aba, Pai!” (Rom. 8:15; Gál. 4:6).

A respeito da importância de nomes, o Espírito Santo instruiu Pedro a enfatizar “…em nome de Jesus… porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos” (At. 4:10‑12). Além disso, Jesus é “…o nome que é sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai” (Fil. 2:9‑11).

Fonte de pesquisa: “As Testemunhas de Jeová refutadas versículo por versículo”, David A. Reed; trad. de Marcelus Virgílius Oliveira e Valéria Oliveira. ‑ 2. ed. Rio de janeiro: JUERP, 1990.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement