Esqueceu a senha?

TJs: O Deus da cristandade seria um Cérbero?

por Artigo compilado - qui jan 30, 4:19 pm

E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra. Gn 1.26

Argumento sectário

Na concepção das Testemunhas de Jeová não existe três pessoas na Divindade. Tal concepção seria paganismo. O Deus da cristandade não passaria de um Cérbero, um ser mitológico com três cabeças.

Resposta apologética

Chegando o momento de criar o homem, Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme nossa semelhança“. O verbo “fazer”, nesse caso, aponta para um ato criativo, e somente Deus pode criar. Assim, ao ser criado, o homem não poderia ter a imagem de um anjo ou de qualquer outra criatura, mas a imagem de Deus, a imagem de seu Criador. No versículo 27, lemos: “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou“. O interessante, porém, é que a Bíblia diz que Jesus Cristo também criou todas as coisas, as visíveis e invisíveis (Jo 1.1, 3; Cl 1.16, 17; Hb 1.10), o que inclui necessariamente o homem. Desse modo, concluímos, à luz da Bíblia, que o homem tem a Jesus como seu Criador. Logo, o homem carrega Sua imagem, pois Jesus é Deus, uma vez que “à imagem de Deus” o homem foi criado. Já em Jó 33.4, Eliú declara: “O Espírito de Deus me fez“. Afinal de contas, quem fez o homem? A Bíblia diz: “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou“. E quem é esse Deus? Resposta: Pai, Filho e Espírito Santo. É digno de nota que há outros textos em que Deus fala no plural: Gn 3.22; 11.7-9; Is 6.8. Alguns dizem tratar-se de plural de majestade, ou seja, é uma forma de expressão onde o indivíduo fala do plural que não revela necessariamente uma pluralidade participativa. Todavia, isso não funciona em Gênesis 1.26, 27, pois outros textos bíblicos deixam claro que o Pai, o Filho e o Espírito Santo criaram o homem; logo, não está em jogo nenhum plural de majestade, mas um ato criativo de Deus: Pai, Filho e Espírito Santo. Os demais textos devem seguir logicamente esse mesmo raciocínio.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário