Esqueceu a senha?

TJs sob pressão na Inglaterra

por Artigo compilado - ter ago 16, 12:22 pm

tjs singing

Denúncias de acobertamento de pedófilos e abusos sexuais de crianças, podem causar a perda do Status da Torre de Vigia no Reino Unido. A organização das Testemunhas de Jeová está sob crescente pressão devido sua política para alegações de abuso sexual, uma vez que enfrenta reveses legais, contas de mais de um milhão de euros e uma batalha para impedir que a Comissão de Caridade examine seus registros de denúncias de abusos. No mês passado, um juiz manteve uma decisão contra a filial das Testemunhas de Jeová do Reino Unido, a Bíblia & Tract Society Watch Tower of Britain (WTBTS), a qual, denuncia que as Testemunhas de Jeová não tinham conseguido proteger uma mulher, conhecida em processos como A, dos abusos sexuais que começaram quando ela tinha apenas quatro anos de idade.

Agora, a suprema corte rejeitou uma tentativa altamente incomum da WTBTS para bloquear um inquérito daComissão de Caridade que investiga como as Testemunhas  de Jeová lidam com as alegações de abuso. Um porta voz da comissão disse que a extensão dos desafios e a quantidade de tempo envolvido na luta das Testemunhas de Jeová contra a Comissão de Caridade são sem precedentes.  No caso, uma alta corte concedeu indenização e os WTBTS foram penalizados em várias taxas legais que totalizam cerca de 1 milhão de euros, após tentarem derrubar o inquérito interpondo recursos da decisão por três vezes. A decisão no caso, estabelece um precedente que poderia expor a organização a novas reivindicações. Ela continua a lutar contra as ordens legais da Comissão de Caridade para fornecer documentos sobre as alegações de abuso sexual, bem como outros aspectos do inquérito, em instâncias inferiores.

Fay Maxted, executivo-chefe da The Survivors Confiance , uma instituição de caridade nacional para vítimas de agressão sexual, disse:

Estes são casos em que vítimas de abuso sexual, viram toda a confiança da segurança de sua comunidade religiosa ir por água abaixo. É profundamente decepcionante que uma organização baseada na fé pareça ser tão determinada a tentar evitar responder a perguntas sobre seu próprio comportamento. Isso é algo que os católicos e as Igrejas da Inglaterra também tem de lidar. Estas grandes instituições irão lutar e lutar a cada passo do caminho.

As maneiras pelas quais as grandes instituições respondem a acusações de abuso sexual tem estado sob intenso escrutínio nos últimos anos. Mas a investigação governamental sobre a questão, o inquérito independente sobre abuso sexual de crianças (IICSA), foi lançada em turbulência após a inesperada renúncia de seu presidente, Lowell Goddard, na semana passada. O ministro do Interior na quinta-feira nomeou o Prof. Alexis Jay como o novo presidente.

Durante os trabalhos da Comissão Real Australiana para Abusos Sexuais, foram descobertos 1006 pedófilos confessos nas igrejas das Testemunhas de Jeová. Em décadas, NENHUM foi denunciado à polícia.

Alguns sobreviventes de abuso sexual por membros das Testemunhas de Jeová estão considerando fazer apresentações para que sejam colhidos testemunhos em uma reunião de vítimas. A, a mulher no centro do processo civil, foi abusada por um membro destacado de sua congregação por cinco anos a partir da idade de quatro anos. Foi constatado durante o processo judicial que ele tinha confessado um ataque anterior e havia sido removido de um papel de liderança, mas havia “se arrependido” e antão, autorizado a continuar dentro da congregação. A polícia não foi informada e sua mãe disse no tribunal que ela não tinha nenhuma lembrança de ser avisado que o membro era um pedófilo. A vítima, contou que sua mãe relatou aos membros principais, conhecido como “anciãos”, sobre o abuso da filha quando ela já tinha cerca de 14 anos. Seu agressor havia sido libertado da prisão por outros ataques sexuais e estava pedindo para voltar para a congregação; ela disse:

Por causa do tempo que eu havia mantido silêncio sobre o assunto, eles disseram que se eu levantasse quaisquer alegações, eu seria forçada a uma comissão judicativa, e teria que confrontá-lo cara a cara.

Embora a igreja possa “desassociar” ou expulsar pessoas por delitos menores, a jovem vítima diz que seu agressor foi autorizado a permanecer.

Se eles descobrissem que ele estava jogando na loteria, ele teria sido desassociado, sem dúvida; mas ele admitiu a eles que tinha abusado de crianças, e ele não foi desassociado.

Ela finalmente relatou o abuso à polícia depois que os anciãos não fizeram nada.

Eu cheguei no ponto em que eu me mataria, fugiria ou simplesmente iria à polícia.

Ele morreu antes que a polícia pudesse questioná-lo sobre a acusação. O juiz determinou que a congregação foi omissa não alertou a congregação sobre o risco representado pelo abusador de A. Um porta-voz para as Testemunhas de Jeová disse:

Qualquer pessoa que comete o pecado do abuso de criança enfrenta expulsão da congregação. Qualquer sugestão de que as Testemunhas de Jeová encobrem o abuso infantil é absolutamente falso. Os anciãos congregacionais não desencorajam [relatórios às autoridades] ou protegem abusadores contra as autoridades ou das consequências de suas ações.

No caso do ancião pedófilo Gonzalo Campos, a Torre de Vigia corre o risco de pagar 13,5 milhões de dólares em indenizações a vítimas.

Outra mulher, Jane (nomes trocados), que também está processando a organização depois que ela foi estuprada por um membro em 1990, disse que  foi levada a enfrentar seu estuprador em uma audiência privada conhecida comoComissão Judicativa. Ele deixou-a “completamente traumatizada” e isso levou à dissolução do seu casamento. Seu agressor acabou preso em 2014, e ela decidiu processar a organização  depois de ver os anciãos no banco das testemunhas.

Eu pensei, ninguém assumiu a responsabilidade por isso. Eles poderiam ter levantou as mãos e dito: Sentimos muito, nós estávamos errados.

A Comissão de Caridade deu início a inquéritos legais relacionadas às Testemunhas de Jeová em maio de 2014. Isto foi logo após as denúncias de que anciãos na congregação Manchester New Moston, realizaram uma reunião em que três adultos sobreviventes de abuso sexual quando crianças foram levados a enfrentar cara a cara seu agressor, logo após este ter saído da prisão. Um porta-voz para as Testemunhas de Jeová disse:

Nós não estamos em posição para, e nem o queremos, forçar qualquer vítima de abuso a enfrentar seu abusador.

A comissão, que tem o poder de investigar como curadores de caridade e a lidar com a salvaguarda, deu início a inquéritos separados para a congregação Manchester New Moston e para a WTBTS, que supervisiona 1.500 congregações do país e acredita-se desempenhar um papel significativo no tratamento de alegações de abuso. As Testemunhas de Jeová desafiaram ambos os inquéritos nos tribunais, argumentando que violariam direitos humanos e de liberdade religiosa. Eles também desafiaram ordens para produzir documentos sobre como eles lidaram com as alegações de abuso sexual nos últimos anos. Chris Willis da Comissão de Caridade, disse:

Após dois anos de processos judiciais em cinco tribunais diferentes, o tribunal supremo finalmente decidiu contra a Torre de Vigia e ao nosso favor.

Ronald Lawrence, 76 anos, está atualmente sendo processado por crimes sexuais cometidos por ele a vários anos atrás durante todo o tempo foi destacado ancião.

A comissão só tinha recebido “informação limitada” das Testemunhas de Jeová, disse ele. A Comissão de Caridade está incentivando qualquer um com queixas semelhantes para sair do anonimato. Enquanto um pequeno número de instituições de caridade lançam apelos judiciais contra as decisões da Comissão, a dimensão dos desafios das Testemunhas de Jeová e o período de tempo que eles passaram no enfrentamento são sem precedentes nos últimos tempos, confirmou um porta-voz da Comissão de Caridade. O advogado de A, Thomas Beale, disse:

Infelizmente, dada a nossa experiência de abordagem das Testemunhas de Jeová para processos judiciais em casos que envolvem sobreviventes de abuso de crianças, não é nenhuma surpresa que a WTBTS, em todas as fases tenha desafiado implacavelmente a base jurídica e o âmbito da investigação da Comissão de Caridade. No nosso caso eles adotaram táticas semelhantes, arrastando o nosso cliente através de anos de litígio doloroso e angustiante. Sempre defendemos que este é um tempo para desculpas, não para recursos.

As Testemunhas de Jeová disseram em um comunicado:

Testemunhas de Jeová abominam o abuso de crianças, um crime que, infelizmente, ocorre em todos os setores da sociedade. Estamos comprometidos em fazer tudo o que pudermos para prevenir o abuso de crianças e para proporcionar conforto espiritual para qualquer um que tenha sofrido com esta terrível pecado e crime. Nós também vemos a necessidade de proteger a confidencialidade dos que procuram conforto espiritual. No entanto, devemos diligentemente cumprir decisões judiciais.

Traduzido a adaptado de uma matéria do Jornal The Guardian.

Extraído do site http://www.extj.com.br/1023-2/ em 16/08/2016


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário