Esqueceu a senha?

TJs: transfusão de sangue

por Artigo compilado - ter jun 02, 1:21 am

TJs na rua

Atos 15.28,29 – Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo alem destas coisas necessárias:  Que  vos  abstenhais  das  coisas  sacrificadas  aos  ídolos,  e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição; e destas coisas fareis bem de vos guardar. Bem vos vá.

As testernunhas de Jeová usam este versículo, juntamente com regulamentos dietéticos do Antigo Testamento, para sustentar a proibição de sua organização contra transfusão de sangue.

Elas vêem a passagem acima como uma lei de Deus, estendendo a proibição dietética judaica sobre as congregações cristãs futuras. Mas a igreja primitiva tratava esta carta apostólica como uma determinação permanente? Obviamente, a idolatria é permanente­mente proibida, mas e a respeito dos outros preceitos mencionados na carta? E a respeito de se oferecer carne aos ídolos? Paulo discu­tiu este assunto demoradamente em sua Primeira Carta aos Corín­tios, indicando que “um ídolo nada é” e que “não somos piores se não comermos, nem melhores se comermos”. Ele argumenta con­tra comer tal carne, quando isto se torne um obstáculo para os novos crentes que apenas recentemente abandonaram a adoração idólatra. (Veja 1 Cor. 8:1‑13.) Mas, geralmente, os cristãos são li­vres para comer “de tudo quanto se vende no mercado, nada per­guntando por causa da consciência” e para comer “de tudo o que puser diante de vós” na casa de incrédulos (I Cor. 10:25‑27).

Desse modo, a parte da carta de Atos 15 que se refere a carnes oferecidas aos ídolos não deve ter sido vista como uma determina­ção permanente para a igreja. Não existem fundamentos, então, para se afirmar que a declaração acerca do sangue tem força hoje também.

Mas, mesmo que tenha, as Escrituras estão referindo‑se a dieta alimentar, e não a transfusão de sangue. Tomar uma regulamenta­ção dietética e estendê‑la ao ponto de negar um processo médico para se salvar a vida de um homem à morte é fazer como os judeus fariseus que ficaram furiosos quando Jesus curou um homem no sábado (Luc.6:6‑11).A carta publicada em 8 de dezembro de 1984 na edição do The Concord Monitor (New Hampshire) fala de anciãos das Testemunhas de Jeová interrogando um paciente ter­minal de câncer em um hospital e desassociando‑o em seu leito de morte porque aceitara uma transfusão de sangue. Nós facilmente poderíamos imaginar os fariseus fazendo a mesma coisa ‑ mas agiria Jesus dessa forma?

Fonte de pesquisa: “As Testemunhas de Jeová refutadas versículo por versículo”, David A. Reed; trad. de Marcelus Virgílius Oliveira e Valéria Oliveira. ‑ 2. ed. Rio de janeiro: JUERP, 1990.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement