Esqueceu a senha?

TJs – transfusões, transplantes e vacinas

por Artigo compilado - sáb jul 21, 1:38 pm

TJs – transfusões de sangue, transplantes e vacinas

I – TRANSFUSÕES DE SANGUE

Desde 1945, a liderança máxima da Sociedade Torre de Vigia (STV), o Corpo Governante, proíbe as transfusões de sangue. Baseando-se em textos bíblicos que proíbem a ingestão de sangue como fonte alimentar, os TJs creem que os mesmos princípios devem ser aplicados às transfusões, pois raciocinam que a transfusão é o mesmo que comer sangue.

Além disso, costumam fazer extensas citações de depoimentos médicos sobre os riscos que acompanham as transfusões de sangue. Ao recusar uma transfusão, o membro da STV é incentivado a solicitar tratamentos alternativos, que não se valham de sangue.

A fim de ajudar os TJs a manter essa posição com respeito ao sangue, foram formadas em 1984 diversas comissões de anciãos (líderes locais), para entrevistar médicos e registrar os que respeitariam a decisão do paciente TJ de não aceitar transfusões de sangue. Esse sistema ganhou força em 1991, quando se realizou na cidade de São Paulo um Seminário Internacional de Comissões de Ligação com Hospitais (COLIHS). Os membros dessas comissões fizeram apresentações a médicos e a equipes médicas, esclarecendo a posição da STV sobre o uso de sangue, e repassando-lhes artigos científicos sobre tratamentos sem sangue. As COLIHS atuaram em cidades com grandes centros de tratamento médico.

Em outubro de 1992, a STV realizou na cidade de São Paulo o XXII Congresso Internacional sobre Transfusões de Sangue. Estiveram presentes cerca de 1300 médicos de mais de cem países. Uma hematologista, membro da seita, apresentou um pôster que listava 65 alternativas médicas à transfusão de sangue. Nos meses seguintes, fizeram-se apresentações em vinte Conselhos Regionais de Medicina, e vários deles recomendaram, que ocorrendo problemas relacionados do sangue, os médicos contatassem as COLIHS locais. Por meio desses seminários, a STV conseguiu a cooperação de quase dois mil médicos dispostos a realizar operações sem uso de sangue.

A Origem da Proibição das Transfusões de Sangue

Quem primeiro recusou a transfusão de sangue na História foram os alemães que adotaram a ideologia nazista da raça superior. Temiam receber sangue de uma raça inferior – um judeu ou um negro. Mesmo quando eram abatidos e capturados pelos seus inimigos, ou se encontravam gravemente feridos, recusavam submeter-se à transfusão de sangue, pois odiavam e desprezavam as outras raças. Decididamente fiéis à sua ideologia racista, recusavam transfusões de sangue por essa razão.

Empolgados com a ideologia e a convicção dos alemães nazistas, o Corpo Governante adotou uma doutrina semelhante, mas com argumento diferente. Proibiram as Testemunhas de Jeová de doar sangue, e receber transfusão de sangue, alegando que tal proibição é bíblica. Além de ter buscado inspiração em um dos mais terríveis regimes que já apareceu na face da terra (o nazismo) a Sociedade Torre de Vigia sacrifica milhares de vidas no seu altar homicida, com as condolências do todo-poderoso Corpo Governante.

FATOS REAIS DOCUMENTADOS

O Corpo Governante leva os TJs a encarar a transfusão de sangue como “espiritualmente corrompedora”, ou seja, a transfusão poderá levar o adepto a perder o favor de Jeová, o que implica sua destruição eterna. Isso fica evidente pela seguinte declaração:

“Os pais precisam estar firmemente decididos a recusar o sangue para si mesmos e para seus filhos, prezando sua relação com Jeová mais do que qualquer alegado prolongamento da vida que envolva a transgressão da lei divina. Estão envolvidos o favor de Deus agora e a vida eterna no futuro!” (A Sentinela, 15/08/1993, p. 29).

Segundo o Corpo Governante, quando os pais TJs escolhem um tratamento sem o recurso do sangue, isso “mantém os filhos no favor do grande Deus da Vida, Jeová Deus” (idem, p. 5).

Por isso os TJs preferem a morte a uma transfusão sanguínea, e muitos já morreram, em diferentes países do mundo, por obedecer cegamente a proibição da STV. Em 1983, em Ontário, no Canadá, os pais de Sara Cyrenne, de 12 anos, recusaram a transfusão de sangue, causando sua morte. Sua mãe declarou: “Nós o fizemos, porque sabíamos que o que havíamos feito era a coisa certa e que tínhamos Jeová Deus do nosso lado”.

Outro caso envolvendo crianças e adolescentes foi noticiado na Despertai! de 22 de maio de 1994 sob o tema “Jovens que colocaram Deus em primeiro lugar”, a revista apresentou todos os que morreram como mártires por recusar transfusão de sangue. Foi o caso de Lenae Martinez (12 anos), Adrian Yeatts (15 anos) e Lisa Kosack (12 anos) que eram portadores de leucemia. Eles, com o apoio dos pais, recusaram o tratamento (programa intensivo de quimioterapia e transfusões de sangue) e morreram.

Em 1993, na cidade de Curitiba, o menino Kleison Sílvio Bento, de 10 meses, nasceu com uma deformação congênita do coração. Era necessário submetê-lo a uma cirurgia para corrigir a deformação. Entretanto, sua mãe, TJ, recusou-se a autorizar tal operação. Depois de meses de discussão, o hospital no qual Kleison estava internado conseguiu na Justiça o direito de operá-lo, mas foi tarde demais. A criança sofreu uma parada cardíaca, vindo a falecer após a operação, segundo noticiou na época o Jornal do Brasil, em matéria de 24 de abril de 1993.

Outro caso, dessa vez de um adulto, foi noticiado pelo jornal Folha da Tarde (02/06/1994, A-7). Em junho de 1994, um hospital da cidade de São Paulo precisou recorrer à intervenção judicial para operar o comerciante José Nogueira de Lima. Sua família, TJs, havia proibido a cirurgia. Felizmente, a operação resultou na salvação de José Nogueira. Apesar disso, a família protestou.

A fim de se assegurar de que, em caso de acidente, não venham ser submetidos a transfusão de sangue, os TJs portam o Documento Para Uso Médico: Não Aplique Sangue. O documento solicita que, em caso de acidente, não seja ministrada a uma transfusão de sangue. Para facilitar a adesão de médicos, o documento isenta toda a equipe médica de quaisquer danos causados pela recusa. Eis o teor desse documento:

“Eu __________, determino que não me seja aplicada nenhuma transfusão de sangue, mesmo que os médicos julguem isso vital para minha saúde ou minha vida. Aceito expansores de plasma não derivados de sangue (tais como Dextran, solução salina ou de Ringer, amido-hidroxietil). Tenho _____ anos e é de minha própria iniciativa que valido este documento. Este está em conformidade com meus direitos como paciente e com minhas crenças como Testemunha de Jeová. A Bíblia ordena: ‘Persisti em abster-vos de sangue’ (Atos 15:28,29). Essa é, e tem sido, minha posição há anos. Determino que não me seja aplicada nenhuma transfusão de sangue. Aceito qualquer risco adicional que isso possa acarretar. Isento médicos, anestesistas, hospitais e a equipe médica de responsabilidade por quaisquer resultados adversos causados por minha recusa, a despeito de seus competentes cuidados. No caso de eu ficar inconsciente, autorizo qualquer das testemunhas abaixo a cuidar de que minha decisão seja sustentada”.

No caso de crianças, há outro documento em que os pais se responsabilizam pelos danos causados pela recusa da transfusão.

http://www.douranews.com.br/index.php/saude/item/107933-rede-medica-cria-em-sao-paulo-tratamento-especial-para-as-testemunhas-de-jeova

Muitas matérias jornalísticas semelhantes a essa podem ser encontradas na internet. A princípio pode parecer que a STV tem razão ao dizer que, mesmo quando os médicos dizem ser fundamental, as transfusões de sangue podem ser dispensadas. Porém, não podemos deixar de observar a frase que grifamos: ele recebeu combinações de substâncias para aumentar a quantidade de sangue nas suas veias”. O paciente recebeu sim uma transfusão de sangue, porém em forma de frações dos componentes do sangue que o Corpo Governante “autoriza”, como veremos mais adiante.

INTERPRETANDO TEXTOS BÍBLICOS ERRONEAMENTE

Percebe-se, portanto, que a razão principal de um TJ recusar transfusões de sangue está na má interpretação que seus líderes fazem de certas passagens bíblicas, como Gênesis 9.4, Levítico 17.11-12 e Atos 15.28-29. Todos esses textos bíblicos proíbem a ingestão de sangue como dieta alimentar. Não está em questão o uso do sangue como tratamento terapêutico. Neste caso, a principal objeção dos TJs seria a seguinte: transfusão é o mesmo que ingestão de sangue. O argumento é:

“Num hospital, quando um paciente não consegue alimentar-se pela boca, ele é alimentado endovenosamente. Ora, será que alguém que jamais poria sangue em sua boca, mas que aceitasse sangue por meio de transfusão, estaria realmente obedecendo à ordem de ‘persistir em abster-se de sangue’? (Atos 15:29). A título de comparação, considere o caso de um homem a quem o médico dissesse que precisa abster-se de álcool. Estaria ele obedecendo à ordem, se deixasse de beber álcool, mas fizesse que este lhe fosse injetado diretamente nas veias?” (Raciocínios à Base das Escrituras, 1989, p. 345).

O erro do argumento acima está em ver o sangue como alimento, não como tratamento médico. Desfazendo-se a má interpretação, anula-se o argumento. Ademais, a comparação proposta acima é totalmente descabida, pelas seguintes razões:

  1. O paciente que injeta álcool pelas veias, quando proibido de fazê-lo oralmente, está desobedecendo a um preceito médico. Tal não é o caso das transfusões de sangue, que são, em certos casos, administradas e recomendadas por médicos.
  2. O paciente da comparação proposta lembra um viciado em álcool, que faz de tudo para manter o vício, prejudicando sua saúde. Isso nada tem que ver com a hemoterapia, ou seja, com o tratamento à base de sangue, que visa ao restabelecimento da saúde do indivíduo.

A fim de fazer que os textos bíblicos supracitados sejam aplicados às transfusões, é comum entre os TJs a citação de Levítico 17.10, em que se proíbe comer “qualquer espécie de sangue” (TNM), incluindo o sangue humano. Trata-se de um argumento sem nexo, pois o contexto revela como a expressão “qualquer espécie de sangue” deve ser entendida. Nos versículo 13 e 14 (TNM), lemos o seguinte:

“Quanto a qualquer homem dos filhos de Israel, ou algum residente forasteiro que reside no vosso meio, que caçando apanhe um animal selvático ou uma ave que se possa comer, neste caso tem de derramar seu sangue e cobri-lo com pó. […] Não deveis comer o sangue de qualquer tipo de carne, porque a alma de todo tipo de carne é seu sangue”.

Bem, temos aqui dois tipos de sangue: de um lado, o sangue de um animal selvático; de outro, o sangue de uma ave. Nem de um nem de outro se deveria comer o sangue. Assim, a expressão “qualquer espécie de sangue” deve ser, de acordo com o contexto, entendida como “qualquer espécie de sangue animal, seja selvático, seja alado”. Não pode estar em questão o sangue humano, pois não havia canibais entre os israelitas.

INTERPRETANDO FATOS HISTÓRICOS ERRONEAMENTE

Segundo afirmação dos TJs, os primeiros cristãos entendiam que a proibição bíblica de não ingerir sangue inclui o da espécie humana. Para isso, reportam-se a uma declaração de Tertuliano (155-220 d.C.), um dos pais da igreja, que disse: “O interdito do sangue, nós entenderemos como sendo (um interdito) ainda mais do sangue humano” (Raciocínios à Base das Escrituras, 1989, p. 345).

Quando Tertuliano proferiu essas palavras em sua obra Apologeticum [Apologia], escrita por volta do fim do ano 197 d.C., sua intenção era solicitar aos governadores provinciais do Império Romano que concedessem liberdade religiosa aos cristãos. Estes eram perseguidos por causa de certas mentiras que circulavam no Império, como a de que os cristãos comiam crianças e bebiam seu sangue em banquetes de infanticídio sacramental. Em defesa dos cristãos, Tertuliano afirmou que os cristãos não ingerem sangue animal em suas refeições, quanto mais sangue humano.

Portanto, a declaração de Tertuliano deixa claro que nenhum cristão se atreveria a consumir sangue humano, já que as Escrituras proíbem ingerir até mesmo sangue animal. O que não se pode afirmar, contudo, é que as palavras de Tertuliano devam ser aplicadas às transfusões de sangue. Nem Tertuliano, nem os autores cristãos, tinham isso em mente quando registraram a proibição divina de ingerir sangue.

Toda essa questão se resolve quando temos em mente que comer sangue e transfundir sangue são coisas totalmente diferentes.

Vejamos Um Exemplo Prático, Para Melhor Entendimento

Dois pacientes chegam a um hospital, um deles totalmente desnutrido, o outro acidentado com grande perda de sangue. Perguntamos: O desnutrido poderia ser alimentado com sangue? O acidentado receberia uma transfusão de alimentos? Logicamente que não. Isso nos mostra que a transfusão intravenosa não é o mesmo que ingestão via oral, como querem nos convencer os TJs. O sangue, através do sistema circulatório, leva a todos os órgãos do corpo humano oxigênio e nutrientes vitais e indispensáveis à vida, mas não pode substituir os alimentos ingeridos e digeridos pelo nosso processo digestivo natural.

Sutilezas e Contradições da Sociedade Torre de Vigia

A STV, de uma forma sutil, passou a permitir o uso de algumas substâncias contidas no sangue, classificando-as de “maiores” e “menores” (Despertai!, 22/10/1990):

Plasma – O plasma constitui 55% do sangue, evidentemente foi classificado nas substâncias maiores, proibidas pela STV. Mas do que é composto o plasma? Vejamos: 92% água, os outros 8% são Albumina, Globulina, Fibrinogênio e fatores de coagulação, estes 8% são exatamente o que é permitido pela STV para uso por seus membros. Veja o absurdo: como um todo, o plasma é proibido, mas os seus principais componentes são permitidos, desde que sejam introduzidos no corpo separadamente.

Leucócitos – também são proibidos, porém a STV autoriza o transplante de órgãos, no qual o paciente transplantado recebe muito mais leucócitos (glóbulos brancos) do que em uma transfusão sanguínea. Também no leite materno os leucócitos estão presentes. Nos primeiros meses de amamentação, cada litro contém cerca de 50 mil leucócitos por mililitro cúbico. As mães TJs que amamentam estão desobedecendo a STV?

Albumina – permitido pela STV, esse componente sanguíneo é usado principalmente em casos de queimaduras e hemorragias. Uma pessoa com uma queimadura de terceiro grau (30% a 50%) necessita de 600 miligramas de albumina. São necessários entre 10 a 15 litros de sangue para produzir esta quantidade de albumina. Se uma TJ sofrer uma queimadura, pode receber albumina.

Imunoglobina – é um componente usado na produção de vacinas, algumas obrigatórias em viagens para o exterior e alguns estados nacionais. São necessários até 3 litros de sangue para obtenção das vacinas, que são permitidas pela STV. Outros componentes derivados de sangue, utilizados em hemofílicos (hemodiálise), também são permitidos às TJs pela STV.

Todos esses recursos são obtidos do sangue de doadores que mantêm os Bancos de Sangue. As TJs não fazem doação de sangue, amparados pela STV, mas usufruem do sangue armazenado doado por outros. Temos que a proibição da STV é confusa, contraditória e egoísta.

 

II – TRANSPLANTES

A partir do final dos anos 1950 a medicina começou gradualmente a desenvolver a técnica de transplantar órgãos de uma pessoa para outra. Um dos primeiros pronunciamentos da STV sobre o assunto foi publicado em A Sentinela de 1º de fevereiro de 1962. Nessa ocasião o Corpo Governante liberou os transplantes de órgãos, reconheceu que não havia nenhuma lei bíblica a respeito, e cada TJ podia decidir por si mesma quanto a se valer deste recurso médico.

“Pergunta: Há alguma coisa na Bíblia contra se doar os olhos (após a morte) para serem transplantados numa pessoa viva? – Resposta: A questão de se colocar o corpo ou parte do corpo à disposição dos homens da ciência ou dos médicos, após a morte, para experiências científicas ou para transplantação em outros, não é vista com bons olhos por certos grupos religiosos. Entretanto, não parece haver nenhum princípio ou lei bíblica envolvida. É, portanto, algo que cada pessoa deve decidir por si mesma. Se ela estiver satisfeita em sua própria mente e consciência que isto seja coisa correta a fazer, então poderá fazer tais arranjos, e ninguém a deveria criticar por assim fazer. Por outro lado, ninguém deveria ser criticado por se recusar a entrar em tal acordo” (A Sentinela, 01/02/1962).

Seis anos depois, o Corpo Governante mudou de opinião e passou a condenar os transplantes de órgãos, considerando esse procedimento como canibalismo:

“Deus permitiu que os humanos comessem carne animal e sustentassem suas vidas humanas por tirarem as vidas dos animais, embora não se lhes permitisse comer sangue. Será que isso incluía comer carne humana, sustentar a vida duma pessoa por meio do corpo ou de parte do corpo de outro humano, vivo ou morto? Não! Isso seria canibalismo, costume repugnante a todas as pessoas civilizadas” (A Sentinela, 01/06/1968).

“Quando há um órgão doente ou defeituoso, o modo usual de a saúde ser restaurada é por receber substâncias nutritivas. O corpo utiliza o alimento ingerido para consertar ou curar o órgão, substituindo gradualmente as células. Quando os homens de ciência concluem que este processo normal não mais dará certo e sugerem a remoção do órgão e a substituição do mesmo de forma direta por um órgão de outro humano, isto é simplesmente um atalho. Aqueles que se submetem a tais operações vivem às custas da carne de outro humano. Isso é canibalesco. Não obstante, ao permitir que o homem comesse carne animal, Jeová Deus não deu permissão para os humanos tentarem perpetuar suas vidas por receberem canibalescamente em seus corpos a carne humana, quer mastigada quer na forma de órgãos inteiros ou partes do corpo, retirado de outros” (idem).

“Sustentar a vida” é uma expressão inventada pelo Corpo Governante. A Bíblia só fala em “comer”. Valendo-se da repugnância que as pessoas civilizadas têm ao canibalismo, o Corpo Governante tentou compará-lo aos transplantes, para impor às TJs uma proibição que a Bíblia não declara. Comparar canibalismo com transplante é um raciocínio absurdo.

Outra frase interessante usada pelo Corpo Governante foi “Jeová Deus não deu permissão”. Sim, Deus não deu uma permissão expressa específica sobre transplantes, mas também não proibiu. A proibição veio da STV e só durou doze anos. As TJs que precisaram de um transplante de órgão para recuperar a saúde e sobreviver ficaram impedidas de fazê-lo. Então, em 1980, depois de muitas vidas terem sido sacrificadas, a Organização mudou de ideia:

“É bem conhecido que o uso de material humano para consumo varia desde itens menores, tais como hormônios e córneas até órgãos maiores, tais como rins e coração. Não há nenhuma ordem bíblica que proíba especificamente receber outros tecidos humanos (A Sentinela, 01/09/1980 – grifo nosso).

Antes Deus não permitiu tais transplantes, porque seria canibalismo. Depois, a STV afirma que não há nenhuma proibição bíblica! Até onde vai esse abuso? O Corpo Governante teve uma diretriz confusa com respeito aos transplantes. Primeiro, liberou A Sentinela 01/02/1962. Depois, os proibiu A Sentinela 01/06/1968, Despertai! 08/12/1968. Finalmente os liberou de novo, A Sentinela 01/09/1980. Nos dois últimos casos não deu nenhuma justificativa para o ponto de vista anterior. Falou como se estivesse pela primeira vez manifestando-se sobre o assunto.

Como eles usam o argumento da “luz progressiva”, quiseram dar a impressão que passaram de algo pior (a proibição), para algo melhor (a liberação), isto é, a luz teria brilhado para beneficiar. Todavia, se procurarmos nos índices do período 1960-1990 matérias publicadas sobre transplantes, não encontraremos A Sentinela de 01/02/1962, que primeiro liberou os transplantes. Por que o Corpo Governante prefere que ninguém saiba que de início permitiram os transplantes, proibindo-os seis anos depois, para no final permiti-los? Se muitas TJs hoje tomassem conhecimento disso, como ficaria a explicação da luz progressiva? Acendeu, apagou, acendeu de novo? E como fica o mito da “orientação divina” sobre o Corpo Governante? Encobrir essas coisas é desonestidade!

 

III – VACINAS

Como Surgiram as Vacinas?

“No século XVIII, Edward Jenner descobriu a vacina antivariólica, a primeira de que se tem registro. Ele fez uma experiência comprovando que, ao inocular uma secreção de alguém com a doença em outra pessoa saudável, esta desenvolvia sintomas muito mais brandos e tornava-se imune à patologia em si, ou seja, ficava protegida. Jenner desenvolveu a vacina a partir de outra doença, a cowpox (tipo de varíola que acometia as vacas), pois percebeu que as pessoas que ordenhavam as vacas adquiriam imunidade à varíola humana. Consequentemente, a palavra vacina, que em latim significa “de vaca”, por analogia, passou a designar todo o inóculo que tem capacidade de produzir anticorpos” – http://www.bio.fiocruz.br/index.php/perguntas- frequentes/69-perguntas-frequentes/perguntas-frequentes-vacinas/213-como-surgiram-as-vacinas.

Durante muitos anos a STV condenou as vacinas:

“A vacina nunca evitou coisa alguma e nunca o fará, e é prática das mais bárbaras… Estamos nos últimos dias e o Diabo está fazendo, no ínterim, um esforço estrênuo para causar todo o dano que puder, e é a ele que devemos atribuir tais males… Use seus direitos de cidadão americano para abolir para sempre a prática demoníaca da vacina” (The Golden Age – atual Despertai!, 12/10/1921).

“As pessoas ponderadas fariam melhor em ter varíola do que vacinar-se, pois a vacina espalha as sementes de sífilis, câncer, eczema, escrófula, até a lepra e várias outras doenças repugnantes. Deste modo, a prática da vacina é um crime, um abuso e um engodo” (The Golden Age – atual Despertai!, 05/01/1929).

Até que em 04 de fevereiro de 1931 veio a proibição. O título do artigo era A Santidade do Sangue Humano (razões pelas quais a vacina não é bíblica):

“Visto que a vacina tornou-se assunto de debate, não posso refrear-me de escrever sobre este grande mal. A lei da vacina não pode ser uma lei justa. Todos os pais e mães devem ter o direito de dizer o que deve ser feito aos corpos de seus próprios filhos; assim, a lei da vacina reduz pais e mães à mera escravidão, quase tão sofrida quanto a das pessoas de cor, quando seus filhos eram postos em exibição e vendidos. Em muitos casos de venda de escravos, o pai e a mãe eram até proibidos de derramar lágrimas. A vacinação é uma direta violação do pacto eterno que Deus fez com Noé após o dilúvio” (The Golden Age – atual Despertai!, 04/02/1931).

Em seguida a estas últimas palavras vem a transcrição do texto de Gênesis 9.1-17, que evidentemente não apresenta nenhuma base bíblica para se condenar as vacinas. A absoluta maioria das TJs desconhecem totalmente este passado de ignorância e falta de esclarecimento, e acham difícil acreditar que sua organização defendeu outrora um ponto de vista tão retrógrado e sem fundamento bíblico. Alguns podem argumentar que naquela época ainda havia muito preconceito e desinformação entre a população em geral com relação às vacinas, o que é verdade. Mas não se pode usar a Bíblia para isso, e muito menos poderia ter ocorrido que a organização que diz ser o “canal de Deus” para a humanidade, o “escravo fiel e discreto” de Jesus, dirigida por seu Espírito Santo, dependesse de opiniões humanas para tomar suas decisões.

O Corpo Governante é responsável pelas consequências sofridas pelas pessoas que seguiram essa orientação como se ela viesse do próprio Deus. Não fez bem à saúde delas o “alimento” servido por mais de 30 anos! Muitas pessoas morreram, outras ficaram enfermas para sempre, outras paralíticas e até deformadas, por falta de vacinação.

A STV arvorava a bandeira de Jeová como defesa de sua crença, mas depois resolveu mudar de ideia. Duas décadas depois da última publicação citada, veio a mudança. Na seção “Perguntas dos Leitores”, do número de A Sentinela de 01/04/1952 (em inglês), o Corpo Governante mudou seu ponto de vista no assunto das vacinas. Sem fazer referência alguma ao conceito anterior e mostrando temor de se envolver com a justiça dos homens, reconheceram – muito tardiamente – que a Bíblia nada diz a respeito.

“Pergunta: A vacina é uma violação da lei de Deus, que proíbe a introdução de sangue na circulação? – Resposta: A questão da vacina cabe ao indivíduo que tem de enfrentá-la e decidir por si mesmo. Cada pessoa tem de assumir as consequências por quaisquer posições ou ações que tomar com respeito ao caso da vacina obrigatória, fazendo-o de acordo com sua própria consciência e em consideração à sua boa saúde e aos interesses de promover a obra de Deus. E nossa Sociedade não dispõe de recursos para envolver-se legalmente no assunto e nem assumir a responsabilidade pelos rumos que o caso venha a tomar.

Após uma consideração da questão, não nos parece que seria uma violação do pacto eterno feito com Noé, conforme estabelecido em Gênesis 9:4, nem contrário ao mandamento de Deus relacionado com isso em Levítico 17:10-14” (grifo nosso).

Então, no período de 1921 a 1952, devido à orientação da STV, as Testemunhas de Jeová recusaram vacinas, convictas de que obedeciam a vontade de Deus. Dez anos depois, o Corpo Governante, embora confirmando a liberação, mostrou reservas dizendo que o uso das vacinas era uma “contaminação do sistema humano”. É um raciocínio estranho, pois se a vacina é, de fato, uma diminuta contaminação, uma contaminação muito maior, e até fatal, é a doença da qual ela protege a pessoa.

“Pergunta: Uma vez que a Bíblia proíbe comer sangue, como deve o cristão encarar o uso dos soros e das vacinas? A Sociedade tem mudado seu ponto de vista neste assunto? – Resposta: Na Bíblia, é muito claro que o sangue só podia ser usado apropriadamente no altar; de outra forma, deveria ser derramado no chão (Lev. 17:11-13). A prática inteira da medicina moderna, que envolvia o sangue, é condenável do ponto de vista cristão. Portanto, é errado alguém tomar uma transfusão de sangue ou tirar, em lugar dela, uma fração de sangue para sustentar a vida.

Quanto ao uso de vacinas e outras substâncias que possam de algum modo envolver o uso de sangue em sua preparação, não se deve concluir que a Sociedade Torre de Vigia as apoie e diga que o uso delas seja certo e apropriado. Entretanto, ser vacinado é virtualmente uma prática inevitável em muitas partes da sociedade moderna, e os cristãos podem ter um consolo sob tais circunstâncias, pelo fato de que o seu uso não é na realidade um processo de alimentação ou nutrição, que foi especificamente proibido quando Deus disse que o homem não devia comer sangue, mas é uma contaminação do sistema humano. Assim sendo, conforme declarado em A Sentinela de 1º de fevereiro de 1959, pág. 96, “seria, portanto, uma questão de decisão individual se a pessoa aceita tal tipo de medicamento ou não”. Este é ainda o ponto de vista da Sociedade sobre o assunto – Gal. 6:5.

Entretanto, o cristão maduro não tentará encontrar nisso uma justificativa para tantos outros usos medicinais de substâncias de sangue quanto possível. Ao contrário, reconhecendo quão condenável é a prática inteira, permanecerá tão longe dela quanto puder, pedindo outro tratamento quando houver” (A Sentinela, 1º de abril de 1962).

Não podemos deixar de observar que a STV responde a pergunta, que era “se teria mudado o entendimento da organização”, sem mencionar que condenou o uso de vacinas durante 30 anos. O motivo seria esconder das TJs sua culpa pelas mortes e deformações resultantes de sua proibição naquele período.

 

CONCLUSÃO

O Corpo Governante brinca com vidas humanas. O Corpo Governante viola o mais rudimentar direito do homem. Diz a Declaração Universal dos Direitos do Homem no Artigo III: “Todo homem tem direito á vida”. Deus diz em sua Palavra: “Buscai-me e vivei” (Am. 5.4). Jesus disse: “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” (Jo. 15.13). Diante disso, fica revelado o caráter maléfico da religião do Corpo Governante e de sua Organização. Consideremos os alertas do apóstolo Paulo:

“Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo” (Gl. 1.10).

“Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão” (Gl. 5.1).

————-

Bibliografia:

A Verdade Sobre as Testemunhas de Jeová, Cid Farias Miranda e William do Vale Gadelha (ex-anciãos TJs), Editora Gráfica LCR, 1ª edição, 2004.

Como Responder às Testemunhas de Jeová, Pr. Esequias Soares, Vol. I, Editora Candeia, 3ª edição, 1995.

Porque Abandonei as Testemunhas de Jeová, Aldo Menezes, Editora Vida, 2001.

 

 


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

4 Comentários

Comentários 1 - 4 de 4Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. sobre transfusão de sangue … bizarro quando jeovita deixa ente familiar seja um filho ou outro morrer no hospital quando há uma necessidade emergencial quando médico solicita uma intervenção neste sentido.

    transgridem descaradamente :

    1. Se alguém não cuida dos seus e especialmente dos de sua família, tem negado a fé e é pior que um incrédulo. 1 timoteo 5:8

    2. Atos 15:29 foi uma recomendação para que os gentios que iam ingressar na Igreja, vide ver anterior 28 “Na verdade pareceu bem..” logicamente não inclui deixar ente familiar morrer, visto que até Jesus quebrou o sábado para colher espigas porque estavam com fome, Mateus 12:2b

    3. além disso, a Igreja primitiva tinha muito de judaísmo que aos poucos, Paulo foi tirando, é só ler a carta aos Gálatas. é um absurdo deixar o ente familiar morrer por negar-se a transfusão baseado em versos isolados.

Comentários 1 - 4 de 4Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement