Esqueceu a senha?

Uma análise de Mateus 5.19

por Pr. João Flávio Martinez - sáb set 15, 12:13 am

“Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus”. (Mt 5.19)

A pergunta que surge diante do texto exposto é “como pode alguém ser grande ou pequeno no reino dos Céus?” É essa pergunta que tentaremos responder nesse breve escopo.

A quais Mandamentos o texto se refere? 

Pelo contexto do capítulo 5 vemos que Jesus está se referindo aos mandamentos da Lei. É preciso salientar que o contexto mostra que essa Lei não é uma referência aos Dez Mandamentos como querem os Adventistas e judaizantes cristãos. Jesus não citou apenas os mandamentos do decálogo. Antes, referiu-se a somente três deles. A saber: versículos 21, 27 e 33. Os demais mandamentos não fazem parte do decálogo. No versículo 38, Jesus trata da questão do “olho por olho”, assunto que se encontra também em Levítico 24.20. No versículo 43, Cristo fala a respeito do “amor ao próximo”, o que também pode ser constatado em Levítico 19.18. Ao abordar sobre a Lei, Jesus referia-se aos cinco livros de Moisés, ou seja, o Pentateuco (Mt 7.12; 11.13; 22.40; Lc 16.16, 29,31).

Nessa abordagem, o que percebemos nas conjecturas de Jesus, é que os aspectos cerimoniais e tipológicos da Lei foram claramente abolidos quando Jesus, nosso cordeiro pascal (I Co 5.7), cumpriu os tipos e predições dessa Lei quanto à sua primeira vinda (cf. Hb 7-10). Nesse sentido, Jesus claramente aboliu os aspectos cerimoniais e tipológicos da Lei, não destruindo-a, mas cumprindo-a. Jesus tornou-se o fim da mesma (Rm 10.4, II Co 3.14) – Logo, a Lei com seus ritos já passou e uma nova Lei (Apesar de não ser nova) estabeleceu-se. Essa Lei é extraída do princípio moral contido nos mandamentos do VT, ela se expressa num contexto diferente, a saber, num contexto que não é teocrático judaico, mas pessoal e universal. A Nova Aliança tem uma cosmovisão de Lei que lhe é peculiar e próprio a qual podemos classificar de – LEI DE CRISTO OU A LEI DO ESPÍRITO (Rm. 8.2; ICo 9.21; Gl 6.2; Rm 3.27). É por essa Lei e no cumprimento desses Mandamentos que nós vivemos e exercemos a graça de sermos verdadeiros Cristãos. Os cristãos hoje não mais se acham debaixo dos “10 Mandamentos” ou “613 Mandamentos” da Torá, mas debaixo da Lei de Cristo e por ela vivem.

O Reino dos Céus

O Dr. J. Davis diz o seguinte sobre o Reino dos Céus: “O reino dos céus vem a ser a ‘Igreja invisível’ – É a república dos filhos de Deus” (Cf. Mt 13.24, 31, 33, 44, 45; Mc 4.11, 26, 30; Lc 14.15; 17.20). ¹

Grande e pequeno no Reino

Os que interpretam erroneamente e assim ensinam, levam outros inocentes a errar por seus ensinos desprovidos de conteúdo claro e fidedigno – assim, apesar de servos de Cristo, pessoas estariam no Reino, mas sem desfrutar de todos os benefícios do amor de Deus devido a um ensino equivocado da Graça de Cristo. Quem não aprende e entende corretamente o ensino da Graça, torna-se um cristão sem riqueza de conteúdo, vivem secos e sem vida.

No Reino de Cristo, homens como aqueles antigos mestres do judaísmo – que eram radicais no ensino da legalidade – teriam pouca importância, em contraste com a posição antes ocupada – os adoradores não seriam presos ao Templo e nem às legalidades sacerdotais (Jo 4.23,24, Hb 7.12).

O cristão tem a obrigação de compartilhar corretamente a sua fé e explicitar com amor e mansidão a todos que lhe pedirem o motivo da sua esperança (I Pe 3.15). É assim que um crente em Jesus torna-se grande no Reino.

O apóstolo Paulo parece ensinar a mesma coisa em I Co 3.13-15: “… manifesta se tornará a obra de cada um… se permanecer a obra de alguém… receberá galardão… se queimar, sofrerá o dano… será salvo, todavia, como que através do fogo”. A medida da nossa fidelidade a Deus, aqui, determinará a medida da nossa recompensa no céu. O serviço e ensino bem feito, segundo o beneplácito de Deus, merecem galardão dado pelo Pai eterno – “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (I Co 15.58).

Bibliografia:

01) – Dicionário Bíblico, J. Davis, Ed. Juerp, 15º Edição;

02) – O Novo Testamento Interpretado, Champlin, Ed. Hagnos;

03) – Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e Contradições da Bíblia, Geisler & Howe, Ed. Mundo Cristão.

04) – Bíblia Pentecostal, Ed. CPAD


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

3 Comentários

Comentários 1 - 3 de 3Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. A pergunta que surge diante do texto exposto NÃO é: “como pode alguém ser grande ou pequeno no reino dos Céus?”, mas: “não é possível perder a salvação?”

  2. Excelente comentário sobre (Mt 5.19). Parabéns pela clareza dos esclarecimento.

  3. a questão, não estar bem respondida, porque, se levar pelo o contexto, que jesus, estar falando de quem ensina, logo, os não convertido, será como diz a palavra, sem converção não tem salvção, ou
    serar, que a humanida vai quer obrigar, DEUS, salvar a todos globalmente.

Comentários 1 - 3 de 3Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement