Esqueceu a senha?

Usando ou amando

por cacp - qua mar 19, 12:08 am

amigos-para-sempre

“Ora, antes da Festa da Páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim.”  João 13:1.

Alguém já disse com muita precisão, que Deus criou o homem para amar as pessoas e usar as coisas, mas o pecado transtornou tão profundamente o ser humano, que ele acaba amando as coisas e usando as pessoas. Na verdade o amor é uma realidade bem pouco conhecida na nossa experiência diária dos relacionamentos. Nós confundimos amor com interesses pessoais. Defendemos as causas do amor em nome do nosso egoísmo. Somos consumidos pela paixão, pensando que o nosso alvo é o amor.

Nós falamos muito de amor e temos algumas definições apropriadas para os nossos conceitos de amor, mas a realidade demonstra a incoerência entre o discurso e a vida. Eliane Watson foi bem objetiva quando tratou de sua grande crise: O meu maior problema não é amar o mundo todo. A minha maior dificuldade é amar meus conhecidos que moram na casa vizinha. As vezes falamos do nosso grande amor e da capacidade que temos em nos doar, enquanto os nossos interesses não são conflitados. Certa ocasião Nero, o imperador romano, falou publicamente no Senado que o seu preceptor Sêneca, era o seu melhor e mais fiel amigo; mas quando este amigo, no outro dia,  discordou de algumas posições extremadas assumidas pelo imperador, acabou perdendo a vida. Sêneca era amigo enquanto concordava totalmente com as posições do imperador. Sêneca agora estava morto e Nero choromingava a sua morte: Sêneca era meu amigo, mas eu sou amigo apenas daqueles que me obedecem fielmente! Este é o perfil psicótico da amizade despótica. Você é meu amigo se pensar como eu penso e se fizer como eu quero.

A verdadeira amizade não exige fidelidade compulsória, mas concede liberdade para que a correspondência responsável seja espontânea, livre e pessoal. Jesus tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim. Jesus amou Judas que o traiu com uma amizade incondicional. A atitude antipática de Judas não podia intervir na realidade sublime de uma amizade verdadeira. Quando Judas se aproximou de Jesus com o beijo da traição, Jesus se manifesta com um coração realmente comprometido com a sua amizade. E logo, Judas aproximou-se de Jesus e lhe disse: Salve, Mestre! E o beijou. Jesus, porém, lhe disse: Amigo, para que vieste? Nisto, aproximando-se eles, deitaram as mãos em Jesus e o prenderam. Mateus 26:49-50. Jesus não usa as pessoas, ele as ama em qualquer circunstância. Ele não deixa de amá-las por causa da infidelidade humana. Ele não as despreza em virtude de suas idéias contrárias. Jesus sabe muito bem que a única maneira de se ter amigos sinceros é ser sinceramente amigo, e profundamente amável. Matthew Henry percebendo esta realidade afirmou com amor: Há pessoas com as quais não concordamos, mas não precisamos afastá-las de nossa amizade.  Cremos que o amor é mais forte e mais poderoso que as diferenças de opiniões e muito mais profundo que os limites de nossos preconceitos. Há uma grande diferença entre aqueles que têm amigos e aqueles que são amigos. Muitos primam por conquistar amigos e se gabam de ter muitos amigos. Contudo, sofrem com o medo de perder e vivem na corda bamba das susceptibilidades para mantê-los em suas inconstâncias.  Outros são apenas amigos e não temem perdê-los, pois ainda que estes se vão, eles continuam verdadeiramente amigos. Eles não usam as pessoas, mas amam sem interesse, nem culpa.

A Bíblia fala de dois amigos íntimos que ultrapassam aos padrões vulgares das amizades negociadas, e das paixões medíocres e deformadas que caracterizam as perversões humanas. Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. 1Samuel 18:1. Estes dois se tornaram amigos incondicionais. Não se trata de uma amizade utilitária nem uma relação passional ou patológica. Era uma amizade de calibre eterno e de proporções verdadeiras. Davi e Jônatas tinham uma relação de amigos sinceros e não mera cumplicidade de vantagens lucrativas. Saul fez tudo para comprometer esta dedicação e colocou toda forma de incompatibilidade para abortar a afeição genuína que eles nutriam. Porém esta amizade não estava alicerçada em proveitos próprios, nem se fundamentava em carências psicológicas complementares. Não havia a necessidade doentia de aceitação nem o medo obsessivo da rejeição. Eles se amavam sem as paixões deformantes da alma, nem as vantagens lucrativas do egoísmo. Em todo o tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão. Provérbios 17:17. Lembro-me de uma pessoa que dizia ser o melhor amigo de alguém, até ser confrontada por este nos seus interesses pessoais. Pouco a pouco a sua amizade evaporou-se. A volatilização do relacionamento estava baseado exatamente na utilização da amizade. Jônatas foi encurralado pelo pai para descartar a amizade com Davi, pois como Príncipe herdeiro, o seu reino estava ameaçado com a possibilidade de Davi se tornar Rei. Então, se acendeu a ira de Saul contra Jônatas, e disse-lhe: Filho de mulher perversa e rebelde; não sei eu que elegeste o filho de Jessé, para vergonha tua e para vergonha do recato de tua mãe? Pois, enquanto o filho de Jessé viver sobre a terra, nem tu estarás seguro, nem seguro o teu reino; pelo que manda buscá-lo, agora, porque deve morrer. Então, respondeu Jônatas a Saul, seu pai, e lhe disse: Por que há de ele morrer? Que fez ele? Então, Saul atirou-lhe com a lança para o ferir. 1Samuel 20:30-33a. Jônatas escolhendo a legítima amizade prefere perder o reino ao amigo; enquanto Saul, que só sabia usar as pessoas, prefere matar o filho, a conhecer os laços de uma amizade profunda.

Há muitas pessoas que se interessam pelas outras enquanto estas podem ser úteis, ou quando não causam ameaça aos seus interesses. Não raro confundimos amizade com utilização de influência ou prestígio conveniente. Se você me serve, então sua amizade pode ser meticulosamente engenhada. Muitas vezes, em face da solidão, nos tornamos amigos de pessoas que podem corresponder à nossa necessidade. Servir-se das pessoas é muito diferente de servir as pessoas com amor generoso e desprendido. Seja o que for a amizade, ela jamais se utiliza dos outros para o benefício pessoal. A prova de uma amizade legítima está na capacidade do amigo se doar pelo objeto de sua afeição. Muitos amam da boca para fora, mas os amigos amam de coração, até ao fim, em qualquer circunstância e sem qualquer interesse mesquinho, senão o de amar o amigo. Jesus foi um amigo dos seus discípulos, e os amou incondicionalmente até ao fim. Ele não amou por conveniência nem por solicitude de qualquer carência. Pois o amor só precisa amar, ainda que não ganhe nada com isso.  E como dizia muito bem Thomas Merton, o amor busca apenas uma coisa: o bem do ser amado. Ele deixa todos os outros elementos secundários por conta de si mesmos. Deste modo, que a graça de Deus nos constitua amigos das pessoas e não desfrutantes de seus préstimos ou qualidades. Temos um projeto de vida maravilhoso de amar as pessoas e não usá-las. Examinemos as nossas relações e vejamos se estamos usando ou amando!

Extraído do site palavradacruz.com.br em 18/03/2014


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement